sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Ela quase que já nada...

Pois é... o facto de termos ido ao mar/piscina o verão inteiro fez com que a minha M. se soltasse, ganhasse confiança, quisesse experimentar as sensações boas que este ambiente sempre nos proporciona. 
Era vê-la no alto mar (de braçadeiras!) a desenrascar-se sozinha e sem medos como uma menina crescida... Era vê-la na piscina, primeiro só com uma braçadeira e depois com nenhuma (já não as queria usar e eu desisti de insistir!), e vê-la feliz e livre de movimentos, claro com a minha (nossa) ajuda... Ela dava pulos, atirava-se das escadas e nadava até chegar a nós, com alguma dificuldade ainda, mas a tentar chegar ao seu objetivo... Há um dia que conseguiu mesmo nadar sozinha um bocadinho e de cabecinha de fora... Ela aprendeu a dar mergulhos de cabeça!!! Ponha as mãos à peixinho, como o seu querido professor Rui lhe ensinou, cabecinha entre os braços e pimba... água! Às vezes corria bem, outras vezes era uma chapinha, nada de especial... Só sei é que está no bom caminho...

Um outro dia disse-lhe "Filha vem debaixo de água até mim..." e... ela foi sem pestanejar... sozinha... sem medos... sem braçadeiras... e sempre debaixo de água!

Nas primeiras aulas de natação que já foi, é visível a incrível evolução dela na água... O seu professor até disse que se tivesse menos meninos era capaz de lhe tirar o esparguete já... mas são uns 10... complicado... Tudo a seu tempo e, com certeza que ela está mesmo no bom caminho...

E, sabem?! Consola vê-la nadar... uma verdadeira sereia...a minha doce sereia...

video
(Desculpem o vídeo estar de lado... não sei como o endireito!) :P



quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Consegui percorrer pouco mais de 30km...

Quem me conhece sabe que sou uma pessoa de muita fé. Fé em Cristo, Fé no Amor, Fé na Amizade Verdadeira, Fé no poder da Natureza, Fé na Teoria do Retorno e em outras coisas mais... Um dia falo sobre a fé que existe dentro de mim...

Há uns dias participei numa Peregrinação... Até agora, sempre que participei, o grupo era sempre acompanhado por uma pessoa que admiro muito pela sua maneira de ser e pela paixão que sente por Jesus. Desta vez ela não foi e a verdade é que fez mesmo muita falta. Eu senti a sua falta, a falta das suas palavras, da sua alegria, do seu amor, das suas piadas,... Fez realmente toda a diferença! A frase "Só faz falta quem cá está!" não se aplica definitivamente neste caso... Fez-me falta! Muita!...
Mesmo sabendo que essa pessoa fulcral não ia, fui na mesma, porque precisava estar comigo e com Ele. Precisava encontrar-me, precisava ganhar forças e recuperar energias e também gostava de saber se conseguiria percorrer tantos km num só dia!...
Iniciamos a caminhada às 22h30 e terminamos às 13h30 do dia seguinte, com algumas paragens e uma missa à mistura... Foram à volta de 30km percorridos (da Igreja de Santa Clara, em Ponta Delgada, até à Ermida da Nossa Senhora da Paz, em Vila Franca do Campo, digamos que subir à Ermida foi mesmo a parte mais difícil!!!). E depois chegar lá e não ouvir a tal palavra de Jesus, deixou-me um vazio bastante grande...
Estar numa peregrinação à noite é muito diferente de fazê-la de dia. À noite há o silêncio, a escuridão, a lua e as estrelas... E é nesse momento que me sinto sempre mais próxima de mim, dos meus pensamentos, de Jesus, do meu coração,... Esta peregrinação foi particularmente interessante pois o percurso foi maioritariamente à beira mar, portanto o som das ondas ajudaram na meditação interior que fui fazendo ao longo do percurso, assim como nas viagens mentais que fiz com a minha cabeça...
Foi, sem dúvida, uma boa experiência, uma boa caminhada, um momento de extrema meditação, um momento em que estive comigo e com Deus, e também com aqueles que amo sempre em pensamento e no meu coração.
A grande recompensa de todos os km percorridos foi, sem dúvida, o momento em que avistei lá ao fundo nos últimos metros que estava a percorrer para chegar à Ermida a minha menina à minha espera de sorriso nos lábios. Foi de uma alegria e emoção indescritível... Obrigada pai por me permitires viver esse momento...

Deixo aqui alguns momentos dessa minha "aventura"!


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Conhecemos o Sr. Teimoso e... ficou amigo dela!!!

Falei aqui que um dia disse que havia um Sr. Teimoso, numa tentativa de "dobrar" a minha filha quanto às suas teimosias que, como qualquer criança, tem.
Às vezes ela perguntava-me como era o Sr. Teimoso... Disse-lhe que tinha barbas e cabelo grande. Usava chapéu, camisa xadrez de verde e preto, calças de ganga e botas. Estava sempre todo sujo e mal cheiroso porque não se lavava. Andava numa carrinha de caixa aberta à procura dos meninos teimosos. Levava-os para a sua casa e obrigava-os a fazer as tarefas domésticas e a limpar as suas roupas e botas que estavam sempre cheias de cóco. Quando ele via que as crianças já não eram teimosas, ia levá-las a casa. Mas até lá ficavam sempre com ele.

Durante as festas da Lomba da Maia, havia lá um senhor que apesar de não andar sujo, tinha as mesmas características do Sr. Teimoso e também andava numa carrinha de caixa aberta. Disse à minha M. "Olha o Sr. Teimoso é aquele!"... Ela à porta da casa da sua bisavó, espera por ele, que estava a subir a rua a pé e, pergunta-lhe corajosamente (sem medo nenhum mesmo!) "Como te chamas?!". Ele, muito surpreendido por ela estar a falar com ele, diz "Eu?! Chamo-me Tiago."... E ela diz-lhe adeus com um sorriso na cara. O amigo dele diz, em tom de piada "Não é o Pai Natal!!!"... Ahahahah, mal sabe ele que ela pensava que era bem pior que isso!!!
Entra em casa toda feliz a dizer que tinha falado com o Sr. Teimoso!!! E eu a pensar "Pronto, lá se foi o medo do Sr. Teimoso!"... E ela, cheia de interrogações, diz: "Mãe, mas o Sr. Teimoso chama-se Tiago e não estava sujo!"... Disse-lhe: "Oh filha, claro que ele não vai dizer que se chama Sr. Teimoso... o nome dele é Tiago, como tu és Matilde, mas todos o conhecem como Sr. Teimoso. Ele não estava sujo porque os meninos teimosos que estão na sua casa limparam a roupa dele para ele poder vir para a festa...!" - Tive de manter a história, porque preciso dela ainda, mesmo até apesar dela não ter medo nenhum do Sr. Teimoso... 

Nem vale a pena dizer que sempre que se cruzavam, diziam adeus um ao outro e trocavam sorrisos... A minha M. ganhou um novo amigo...
(O verdadeiro Sr. Teimoso não é este, mas é o mais aproximado possível...)

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Estar em Santa Maria foi...

Já disse aqui que estive um fim-de-semana em Santa Maria com uns amigos... Já não ia àquela ilha desde 2007, se não me falha a memória, portanto há coisa de 10 anos... Sempre gostei de Santa Maria, assim como gosto de todas as ilhas dos Açores. Sou uma pessoa que adora viajar e se for para destinos de sol/praia melhor... E, portanto, Santa Maria, sendo a "ilha do sol" é, sem dúvida, um destino a não perder.
Infelizmente no fim-de-semana que estivemos em Santa Maria o tempo foi assim meio ranhoso... No sábado ainda foi mais ou menos, mas no domingo.......
O sítio onde ficamos a dormir também não ajudava, pois ficamos em Santo Espírito, ou seja, interior da ilha, no meio de montes e pouco mais... Ora, quem me conhece bem, sabe perfeitamente que eu prefiro o mar à serra, os peixes aos bichos do mato, prefiro estar em alto mar do que no meio de árvores que me tapam a vista e eu tenha a sensação horrível de estar perdida ou de não saber onde é o norte ou o sul ou até que a qualquer momento me possa saltar um rato para cima... Bom, mas toca a levar na desportiva! Afinal não era todos os dias que estava em Santa Maria... e, sinceramente, valeu pela companhia que foi sempre de alto nível!

Percorremos a ilha toda e aproveitamos para dar um mergulhinho na praia mais bonita do mundo - S. Lourenço - onde passei parte da minha infância e levar a minha filha a S. Lourenço, mostrar-lhe a casa onde costumava ficar, foi deveras especial.

Deixo aqui algumas imagens do nosso fim-de-semana...
As viagens de barco...

A casa onde ficamos...





S. Lourenço - um paraíso!


Ainda S. Lourenço


A sereia na praia de S. Lourenço, sem braçadeiras!

Porto da Vila do Porto

Praia Formosa

Maia





segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Desafio 52 semanas #42: Quer acertar no meu presente? Então dê-me......

Esta semana o desafio é dizer qual o meu presente ideal... Na verdade, acho que até nem sou muito esquisita com prendas... 
Quando compro algo para alguém gosto de comprar algo que seja útil para a pessoa em questão e também algo que, se possível, estabeleça alguma ligação à minha pessoa, que seja personalizado. Normalmente quando compro tenho sempre isto em mente, exceto se não conhecer bem a pessoa ou não tenha tido muito tempo para pensar na prenda... 
Normalmente faço uma listinha de prendas que pretendo oferecer às pessoas ao longo do ano. Penso na prenda com bastante antecedência (já sei o que vou oferecer às minhas pessoas no natal por exemplo!) e aos pouquinhos vou comprando... Não costumo deixar para o fim...
Normalmente não costumo oferecer coisas para a casa, salvo algumas exceções, tipo quando sei que a pessoa em questão precisa mesmo de algo para a sua casa, ou quando é alguma prenda de grupo,...

Aquilo que faço para os outros gostaria que o fizessem para mim... Se me querem oferecer algo, ofereçam algo que seja realmente para mim, mas que tenha alguma ligação à pessoa que me está a oferecer...
(um embrulho personalizado pela minha filha também ajuda...)


domingo, 15 de outubro de 2017

Hoje é o dia do meu irmão!

Outro dia falei de pessoas especiais (aqui)... e hoje é o dia de mais uma pessoa especial da minha vida, das mais especiais que tenho...

Ele foi a melhor prenda que os meus pais me deram. Ele continua a ser uma continuidade de mim, um grande e importante aliado... Somos muito parecidos fisicamente, mas muito diferentes um do outro. Ele é, sem dúvida, melhor pessoa do que eu, mesmo até apesar de ser bem mais teimoso que eu (bem mais!)!... Completamo-nos, acho que esta é a melhor definição dos filhos dos meus pais...

Se pudesse, oferecia-lhe uma vida cheia só de coisas boas, pois não merece nada mais do que isso... Toda a saúde, toda a sorte e toda a felicidade do mundo é o que te desejo hoje, ontem e sempre... todos os dias da minha vida.

Parabéns meu bebé grande...





sábado, 14 de outubro de 2017

A Bimby na minha vida...

Outro dia li um texto (este aqui) que me fez ter alguns dejávus...

Tive a minha primeira reunião da Bimby acho que 1 ano antes de ter ficado grávida. E, na altura, achei que não era uma coisa que precisasse muito, muito, mas claro que fiquei completamente apaixonada por aquela maquineta e sabia que, mais cedo ou mais tarde, iria comprá-la, talvez quando fosse para a casa nova... Mas, decidi comprar a minha Bimby quando ainda vivia no apartamento, na altura em que a minha filha tinha 5 meses... e porquê?! Primeiro porque cheguei a queimar comida na panela, porque primeiro estava a resolução dos "problemas" da minha filha ainda bebé; depois porque cheguei a estar a mexer comida com ela ao colo e estava sempre com medo de a queimar ou de haver algum salpico de comida que pudesse atingir-lhe a perninha ou outra parte do corpo qualquer (sempre lhe dei o meu colo!)... e deixá-la chorar enquanto estava a tratar da comida, também não era solução... Pelo menos para mim nunca foi em nenhuma circunstância! 
Eu até já tinha pesadelos com a Bimby e por isso decidi comprar uma. A partir desse momento foi só ouvir bocas dos céticos da Bimby... Coisas incríveis mesmo!!! 

As frases do texto foram literalmente todas ouvidas por mim...

"Que não sabia cozinhar e por isso tinha uma bimby" - não que seja a melhor chefe de cozinha à face da terra, mas desenrasco-me com ou sem Bimby... e quem tem Bimby ainda tem a mais valia de poder melhorar a sua performance na cozinha! Mesmoooo... 

"Que se a mulher comprasse uma bimby, ela (a bimby, penso eu!) voava pela janela!!!" - a seguir à Bimby ia o marido... minha rica Bimby!

"A bimby é para gente rica!" - Bom... devo ter muitos gerentes de conta para saberem das minhas contas... Eu paguei a minha bimby às prestações, sem juros... cada um paga como quer... eu preferi não ter juros... Mas há quem dê 20€ (máximo) por mês para pagar a sua Bimby!!! E além disso, normalmente que se dá ao luxo de dizer uma frase dessa, normalmente tem um topo de gama de telemóvel, de carro,... eu cá prefiro comer!!!

"Ah mas isso só faz comida para gato!" - Não! Isso é a estupidez falando... A Bimby é uma grande aliada da cozinha. Ela prepara a comida para ir ao forno, faz os molhos e as sobremesas que demoram uma eternidade a fazer e nem sempre dão certo, faz os iogurtes, o leite, prepara o pão, a massa, faz as bebidas, que de outra forma não ficam tão espetaculares, como por exemplo a limonada, as caipirinhas (oskas)... e uma série de tantas outras coisas que se quiserem tirar o máximo proveito dela, fazem uma poupança que não fazem mesmo ideia!!!... 

Mas o melhor de tudo na minha Bimby é ver que: 
- a minha M. já sabe ligar/desligar/ajudar a fazer comida;
- ninguém se queima e nem passa horas a fio a mexer a panela;
- nunca foi tão fácil fazer brigadeiros e outras coisas mais que antes eu nem me atrevia a fazer, porque ou não tinha paciência de estar ali sempre a mexer a panela ou não queria arriscar;
- pode a Bimby estar a trabalhar enquanto eu faço outras coisas mais úteis e saborosas, como estar a brincar com a minha filha... E não há dinheiro que pague o meu tempo com a minha filha!!!

Minha rica Bimby!...


(Aqui a minha M. a fazer quadradinhos de chocolate para a sua 3ª festa de aniversário, com ainda 2 anos!)



sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Hoje é dia de caminhar por uma causa nobre...

Já não é segredo para ninguém que na minha vida também tive, não na primeira pessoa (embora o tenha sentido como tal!), uma batalha contra um bicho violento, sem piedade e sem escrúpulos. Não o desejo a ninguém... É uma luta tremenda, impotente, cruel... Se num dia estamos bem, no dia seguinte estamos mal... O futuro é sempre uma incerteza e o futuro é já daqui a 1 minuto, o que torna tudo mais complicado de gerir principalmente para quem, como eu, gosta das coisas bem planeadas... A única certeza que temos é que, independentemente do que quer que aconteça, não podemos mesmo baixar os braços, dar tréguas ao maldito bicho, esse raio de bicho que devia ele próprio morrer de cancro!
A partir dessa experiência fiquei mais sensível à luta contra ele. A partir dai decidi viver um dia de cada vez e não pensar no amanhã, pois este pode não vir... Bom, eu penso claro, mas não dramatizo, ou pelo menos evito dramatizar... Aproveito o momento hoje, o momento agora!
E é com este espírito que me vou juntar às pessoas nesta ação de campanha contra o cancro da mama. Vou pelas pessoas que já lutaram contra qualquer tipo de cancro. Umas que venceram e continuam a ser grandes guerreiras e também por aquelas que, infelizmente, já não se encontram entre nós. 

Vais vir também?! 
Somos sempre poucos contra esse bicho maldito, mas juntos seremos cada vez mais fortes!



quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Um fim-de-semana a andar de barco...

Em agosto recebemos um convite de uns amigos para irmos até Santa Maria durante um fim-de-semana no final de setembro, aproveitando que seria a última viagem de barco que se iria realizar e por isso a Atlanticoline estava a fazer uma campanha bombástica! E... lá fomos nós...
A viagem de ida de 2h30 de barco traduziu-se em 3h e tal, dada a agitação do mar com muitas imagens deprimentes à mistura  de pessoas (muitas!) que, com os balanços frenéticos do barco, punham para fora o lanche, o almoço, o lanche da manhã e até o pequeno-almoço que tinham comido ao longo do dia...
Eu, graças a Deus, nunca enjoei por andar no que quer que seja... Venha barco, avião, carro, cavalo, camelo, o que for! Alinho sempre e sempre bem disposta! Só não me peçam para andar em montanhas russas e coisas desse género... Isso não!
Até quando estive grávida enjoei uns míseros 2/3 dias, o que foi ótimo... Imagino que não deve ser fácil! Estar 2h e tanto ou mais dentro de um meio de transporte e desejar chegar ao destino o quanto antes deve ser uma sensação de impotência tremenda, uma espécie daqueles que dizem "Nunca mais bebo!"... 
Dentro do barco andávamos sempre a cambaliar com os balanços que o barco dava. Tínhamos de andar agarrados aos corrimões e às paredes, o que até tinha uma certa piada... Mas deixava de ter tanta piada quando via a minha M. sem equilíbrio nenhum, porque além de me segurar também tinha que a segurar e, às vezes, à filha dos nossos amigos.
Cansada da primeira semana da escola, sem dormir as suas habituais sestas, ela acabou por adormecer deitadinha no chão (não houve alminha caridosa que se levantasse para eu me sentar com ela ao colo a dormir! Só me apercebi desta falta de civismo por parte das pessoas depois!) e, passado um bocadinho, como ainda não acorda para ir ao wc, fê-lo mesmo ali, no chão, sempre sem acordar... Quando vi "água" debaixo dela peguei-lhe ao colo na tentativa de evitar que se molhasse mais e levei-a até ao wc das pessoas com mobilidade reduzida, pois era este que tinha fraldário. Cambaleando pelos corredores, sem me segurar a nada e com ela ao colo, lá cheguei ao destino. Deitei-a no fraldário, tirei-lhe as calças e tentei secar no secador de mãos enquanto o pai foi buscar à mala (que estava no porão do barco) uma muda de roupa. Ela sempre a dormir... O secador era demasiado fraquinho por isso não tive outra opção a não ser vesti-la com outra roupa que, permitiu Deus, até nem demorasse a chegar!...
Para a viagem de regresso... já levei na mochila que estava comigo uma muda de roupa e uma fralda para o caso dela adormecer... E, além disso, o mar estava bem melhorzinho, embora continuasse a provocar alguns gritos a bordo e cambaleios pelos corredores... O que é facto é que na viagem de regresso já não houve tantos enjoos com direito a expulsão... ou vieram todos de avião, ou tomaram um comprimido para o enjoo, ou então adormeceram todos e, se calhar, adormecer é mesmo o truque... ;)

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Experimentei uma nova modalidade!

Estou numa fase da minha vida em que o desporto passou a ser uma mais valia, pois ajuda-me a distrair dos meus problemas, a manter a forma e a tonificar o meu corpo (neste momento o meu principal objetivo). Claro que há dias em que não me apetece nada sair da minha zona de conforto, mas lá me obrigo e, graças a Deus, tenho um grupinho de pessoas que gostam de mim e me incentivam a continuar, a ir, a esforçar-me...
Uma dessas pessoas é Mestre de Kick Boxing e convidou-me e a uma amiga/colega nossa a experimentar um dos seus treinos... Não pensei 2x e porque não?! Lá fomos nós... as duas inexperientes experimentar dar uns socos e pontapés...

Só no aquecimento ia, literalmente, morrendo... Tudo em mim era transpiração... pensava que morria mesmo... Depois fizemos um treino de circuito para treinarmos um pouco de tudo... Para começar uns abdominais sem parar (2 minutos) como manda a lei... Já não sentia a barriga... Depois uma luta com um dos seus melhores jogadores que foi tão delicado comigo que até tinha receio de estar a dar-lhe socos... Depois um que gostei bastante em que era duplo/triplo soco + pontapé. Este gostei mesmo... No final, de frente a frente, novamente a "bater" no nosso "adversário" e, mais uma vez, retrai-me... É que uma coisa é dar socos e pontapés em sacos de pancada... outra coisa é numa pessoa que nunca nos fez mal nenhum... Se ao menos fosse dar pancadaria em alguém que nos tenha prejudicado de alguma maneira, mas não... Aquele miúdo estava inocente!...

Resumindo... adorei o treino dele, era capaz de treinar aquilo as 3x por semana que ele treina, mas sem bater em ninguém. Já fiz Body Combat e bater no ar que me rodeia dá-me mais prazer do que bater numa pessoa que nem conheço!!!



terça-feira, 10 de outubro de 2017

Os amigos partilham...

Penso que todas as crianças, quer sejam filhos únicos ou não, passam pela fase de não querer emprestar os seus brinquedos aos outros meninos, ou de quererem sempre (sempre!) o brinquedo que o outro tem... Se os vossos filhos não passaram por esta fase, a minha filha passou e às vezes ainda passa por isso... É, digamos, uma questão que tenho vindo a trabalhar com ela há uns tempos... A conversa é sempre a mesma "Os amigos partilham" para ela perceber que se quer brincar com os brinquedos dos outros também tem de emprestar os seus.... Não é, de todo, uma tarefa lá muito fácil, principalmente quando a outra criança não quer emprestar o seu brinquedo, depois de todas as teorias psicológicas aplicadas. E ela, com ar aflito, olha para mim e repete apenas "Mãe, os amigos partilham, os amigos partilham, não é?!", como que a pedir socorro, como resolvo este problema deste menino/a não querer emprestar o seu brinquedo, como eu emprestei o meu...

Claro que a coisa complica ainda mais quando uma ou ambas as crianças estão com sono...

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Desafio 52 semanas #41: As coisas mais difíceis num relacionamento amoroso são...

Ora aqui está um dos temas mais "bierc" deste desafio das 52 semanas...
Na minha opinião, as coisas mais difíceis num relacionamento, seja ele amoroso ou outro qualquer, dependem sempre das pessoas envolvidas. Se uma pessoa tem um feitio mais complicado é preciso mais paciência do que uma pessoa que é mais "amanhada", pois este tipo de pessoa acaba sempre por facilitar as coisas. 
Aqui estão aquilo que eu considero ser o mais complicado de gerir num relacionamento, vá amoroso (mas pode ser noutro relacionamento qualquer também!):

- Falta de Comunicação
Este para mim é o pior de todos, pois é transversal a tudo no dia-a-dia de um casal. É muito complicado conseguirmos organizar um dia, um fim-de-semana, se o outro não nos diz se vai, se não vai, se gostava de ir, se tem outros programas mais engraçados para irmos, enfim... é realmente uma carga de trabalhos ter que organizar tudo em cima da hora. Da mesma forma que fica estranho perguntarem pelo outro e nós nem sabermos onde anda, o que faz, a que horas chega a casa,... Completamente desnecessárias situações destas...!

- Diferentes opiniões/gostos
É normal que duas pessoas não partilhem sempre da mesma opinião ou que gostem de coisas diferentes. O segredo está em respeitarmos o espaço do outro e a opinião do outro sem comentários desnecessários. Se o outro não gosta de ir à praia, por exemplo, respeite quem gosta, sem comentários maldosos. Se o outro gosta de ouvir música alta, oiça-a quando estiver sozinho ou, se não estiver, coloque fones nos ouvidos para respeitar quem com ele coabita.

- Aceitar as diferenças
Ambos cresceram em casas diferentes, com hábitos diferentes. É normal que choquem em alguns. O ideal é criarem o seu próprio hábito único e que seja transversal a ambos. É simples, desde que não ocorram teimosias ou "bate pé" de maior.

- Confiança
Aos pouquinhos vamos cedendo a nossa confiança (se calhar é dos melhores sentimentos que podemos dar a outra pessoa - a nossa confiança!) e à mínima coisa má que acontece (e não estou a falar de traição com uma terceira pessoa! Existem outras situações, às vezes bem mais graves, que nos fazem sentir traídos!) a confiança que tínhamos naquela pessoa e naquele relacionamento vai por água abaixo... Primeiro que ela volte (se volta!) é um cargo de trabalhos...

- Ciúmes
Os controlados, pois aqueles outros nem admito que existam, pelo menos na minha vida. Os ciúmes quando têm uma pontinha de humor até têm piada na relação, mas aqueles que até têm razão de ser só vêm estragar a relação. Devagarinho vai criando um mau estar entre ambos, uma falta de confiança e falta de comunicação que é desnecessária....

- Desleixe
O abandono, a ausência, o absentismo só afastam os casais e, infelizmente, hoje em dia é cada vez mais frequente, com a dificuldade que se tem em saber estabelecer prioridades. Quanto menos convivermos, quanto menos falarmos, quanto menos estivermos com o outro, mais fácil é deixarmos de fazer falta... já diz o ditado "Só faz falta quem cá está!"... É que mesmo naqueles casos que a presença física é mesmo difícil de concretizar, é muito importante mantermos a nossa "presença" na vida do outro... Quando essa presença, mesmo que não seja física, deixa de existir por desleixe, fica complicado manter a saúde da relação...

Pra já é isto... Existem outros que também são complicados gerir, mas pronto, para mim estes são, sem dúvida, os mais importantes.

domingo, 8 de outubro de 2017

Eu fiz feijoada de marisco!!!

Um dos pratos que fiz para o almoço do dia 15 de agosto foi a Feijoada de Marisco. Nunca tinha feito e toda a gente elogiou. E, garanto-vos, não é nada difícil de fazer...

Ora aqui vai:

Ingredientes:
- Marisco
- Delícias do mar
- Bocadinhos de lagosta
- Feijão manteiga
- Cebola
- Alho
- Azeite
- Calda de tomate
- Calda de pimenta
- Piri piri
- Vinho branco
- Folha de louro
- caldo de marisco

Como se faz?
Refoga-se a cebola e o alho com o azeite bem refogados.
Junta-se a calda de tomate, calda de pimenta, a folha de louro, o piro piri, o vinho e o caldo de marisco (pode ser daqueles quadradinhos ou pode ser feito com a cozedura das cascas do camarão e neste caso, reduz-se no vinho, caso contrário fica demasiado aguado). Deixa-se evaporar um bocadinho e depois junta-se o marisco (exceto as delícias do mar e a lagosta).
De seguida coloca-se o feijão e deixa-se coser um bocadinho, até o molho ficar mais pastoso (se for preciso uma ajudinha de creme de marisco, usem!). 
Depois colocam-se as delícias do mar e a lagosta e cosem durante 5 minutos. Desliguem o lume e coloquem por cima salsa picada e tapem o tacho, para o resto do marisco coser.

Serve-se com arroz branco. É literalmente uma delícia...


sábado, 7 de outubro de 2017

Hoje é dia de sorrir...muito!

Hoje é o meu dia e o dia daqueles que adoram sorrir! 
Dizem que é o dia do sorriso! Pois que seja!

Eu adoro! Rir alto, sem medos, sem ninguém a dizer que estou a fazer demasiado barulho, rir até doer a barriga, até as lágrimas me caírem de não aguentar mais! Adoro, adoro, adoro! É por tudo isto que gosto de gente positiva, gente feliz, gente com piada, que me faça rir... É por isto que todos os dias fomento o sorriso na minha filha. Quero que ela goste de rir como eu e ela ri, ri muito! A minha maior felicidade é vê-la a sorrir todos os dias! Se a vir a sorrir eu sorrio também!
A vida já é tão complicada para andarmos todo o tempo de cara séria! Riam... riam muito! Se não puderem rir, ao menos sorriam, é diferente, mas é bom na mesma e só atrai coisas positivas! :) 


sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Ela voltou às aulas de natação...

Com 1 ano e 9 meses a minha M. iniciou-se na natação. No primeiro ano, ia com ela para a água e juntas fazíamos os exercícios que o professor Rui mandava, incluindo mergulhar a cabeça na piscina. Ela nunca chorou e nem nunca achou estranho. A única coisa que ela não gostava era mesmo de virar-se de barriga para cima. Nessa posição não se sentia lá muito confortável.
Coloquei-a na natação porque queria que ela não tivesse medo da água, mas que também aprendesse técnicas de sobrevivência caso caísse dentro da piscina, por exemplo, dos meus pais. Além disso, como ela estava todo o dia sem lidar com outras crianças, a natação era o único momento em que ela socializava com pessoas de palmo e meio... 
O ano passado, por sugestão do professor, já foi sozinha para a piscina e adaptou-se bem. Estranhamente pedia sempre o dedinho do professor para se atirar para a água, quando no verão anterior ela atirava-se para a piscina dos meus pais e, inclusive, chegou a nadar debaixo de água sem qualquer apoio até mim... 
Este ano como ela ia para a escola e ia estar com outros meninos, a parte da socialização deixou de fazer sentido para se manter como um dos objetivos da natação, mas quis saber a opinião da principal interessada: ela! E quando lhe perguntei se queria ir para a natação ela respondeu com um alegre sim e pensou que seria mesmo naquele dia. 
Nem vale a pena adiantar que ficou "em pulgas" todos os dias a perguntar se era hoje que era o dia da natação, até chegar efetivamente ao dia!!! :)

Continua a ser uma boa opção mantê-la na natação... :)

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

O que prometo, cumpro!

A minha M., sempre que via a lagarta que anda de um lado para o outro na cidade de Ponta Delgada, pedia para ir no comboio... Até que um dia prometi-lhe que num dia das nossas férias ia com ela no comboio... E como o prometido é devido e eu sou uma mulher que cumpro o que prometo, aproveitei um dia em que o sol estava tímido e disse-lhe que íamos no comboio. Ela ficou feliz da vida e adorou a ideia... Como tínhamos algum tempo antes da nossa voltinha na lagarta, fomos visitar o nosso amigo, o Sr. Santo Cristo dos Milagres, agradecemos a vida que temos, ela comeu um gelado e lá fomos nós pelas artérias históricas de Ponta Delgada, com o comboio só para nós... 
Durante a viagem ia dando músicas de folclore e tradicionais da nossa região e até dançar ela dançou!...

A música sempre presente na nossa vida... :)