segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Desafio 52 semanas #47: Quando estou apaixonada eu...

Ora aqui está um tema super interessante para escrever... O desafio desta semana é dizer o que faço quando estou apaixonada... Ah e como eu gosto de estar apaixonada! E assumo que normalmente estou apaixonada. Serei uma eterna apaixonada pela vida (mesmo que nem sempre seja boa para mim!), pela minha filha, pela minha família... Mas claro que o desafio está a falar de estar apaixonada por alguém, embora também se aplique às restantes...

Então aqui vai... quando estou apaixonada...

- Rio à toa.
Quer dizer, isso comigo já é suspeito porque estou quase sempre a rir, mas quando estou apaixonada parece que acordo a sorrir e adormeço a sorrir e ando a passear um sorriso parvo durante o dia inteiro.

- Para todo o lado que eu vá, toda a música que eu oiço me faz lembrar da pessoa.
É verdade! E é impressionante como tudo me faz lembrar, desde às vezes uma palavrinha qualquer num anúncio sem tarelo nenhum. E as letras das músicas?! Parece que todas (vá, quase todas!) foram escritas por mim.

- Só penso em estar com a pessoa e que ela participe da minha vida.
Ando sempre a encontrar todas as formas de poder estar com aquela pessoa e dá-me imenso gozo quando ela também se interessa pelas minhas coisas e se preocupa comigo.

- Adoro surpreender!
Ando sempre a tentar surpreender a pessoa de todas as maneiras para que ela realmente sinta que me está a fazer bem, que gosto dela, que é importante e especial para mim.

- Adoro sentir aquelas borboletas na barriga. 
Até acho que são elas que nos mantém o sorriso e a boa disposição mesmo quando a vida teima em nos deixar em baixo...


É, sou um bocadinho totó quando me apaixono, mas até acho que estar apaixonada é mesmo o que me mantém viva e de sorriso no olhar! ;)


domingo, 19 de novembro de 2017

Comida para o Halloween

Sei que já passou algum tempo desde o Halloween, mas este ano fui a uma festa caseira e para levar fiz uma experiência que resultou muito bem, pelo menos na ala das crianças que acharam um piadão e não deixaram nenhum exemplar para os adultos experimentarem... Falo das pequenas múmias que fiz. Estas:



Lindas não?!
Lindas e super fáceis de fazer...

Comprei massa folhada, estendi e fiz tiras fininhas. Enquanto isso passei as salsichas por água a ferver e quando as tirei da água escorri-as. Foi só enrolar as ditas cujas nas tiras de massa. Os olhinhos fiz com mostarda. Forno com as múmias até a massa ficar rosadinha!

sábado, 18 de novembro de 2017

Qual é o contrário de Amor?

Um dia alguém me perguntou "Qual é o contrário do Amor?!", claro que o meu primeiro pensamento foi responder o "ódio", mas logo me disseram que o ódio era o prolongamento do amor. O contrário de Amor é a Indiferença, o Desprezo.

Fiquei a pensar nisso durante algum tempo... e concluo que é mesmo verdade!
O que será que é pior?!
Alguém reagir a uma provocação nossa ou alguém simplesmente nem reagir...
Alguém que nos chinga o tempo todo ou alguém que nem pergunta como foi o nosso dia, que não olha para nós, que não nos ajuda, que tudo é "tanto faz"! Tanto faz se estás ou se não estás. Tanto faz se vens ou se não vens. Tanto faz se ficas ou se não ficas.
A apatia, o desprezo, o desinteresse dói muito, bem pior do que ouvir boquinhas pouco a pouco porque fizemos, porque viemos, porque fomos, porque ali estamos...
Dar o desprezo a alguém é o pior que podemos oferecer a alguém. É o não interessar-se por. É o "não te vejo, não existes para mim...". É o perfeito desamor. É o "eu não te amo"...

E quando não existe amor tudo se torna mais difícil...





sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Estreia na Bretanha

Quando comecei nisto de correr foi só no sentido de me ajudar a perder algum peso e, como queria ser uma banhista de ano inteiro, para aguentar o inverno, teria de transpirar antes de entrar na água... Porque não correr, já que era uma coisa que montes de pessoas faziam e gostavam de o fazer?! Eu também podia aprender a gostar!...
Mas... as coisas foram tomando proporções cada vez maiores a cada dia que passava. No início corria 2km e achava muito. Depois comecei a aumentar a distância. Depois a fazer a mesma distância e a encurtar o tempo. Depois tentava acompanhar o "Gang das 12h" (nome que carinhosamente apelidei ao grupo que costuma correr às 12h) até onde eles iam, ao ritmo que iam... Pude contar com o apoio do Gang e fui ganhando mais confiança em mim e naquilo que era capaz de fazer...
Começam a falar de provas. Recusei-me, porque nunca me achei capaz. Veio uma, outra, e mais outra e eu nada... Mas depois surgiu a prova dos Ginetes (que era para correr pouco mais do que corria diariamente!) e não fui, mas pensei nela. Veio a prova da Bretanha, que era (diziam!) 6km, ou seja pouco mais do que habitualmente corro. E tudo aconteceu para eu ir. E fui. e pude contar com a minha companheira Elisa que me deu o impulso final para participarmos.
Tinham-me falado em 6km, mas foram 7,71km. Fi-lo em 45'08''. Podia ter sido em menos...
Tinham-me falado de umas subidas manhosas e, sem dúvida nenhuma, eram mesmo manhosas. Cada curva que via ao longe tinha uma subidazinha que não era nada, mas moía silenciosamente as minhas pernas. E eu que nem sou de dizer palavrões, pensei neles (muito!!!)... Aquilo nunca mais acabava!... E nesse momento pensei em desistir, pensei que tinha sido uma tarouca em estar ali, que nunca mais me metia noutra, que aquilo não era para mim,... Perdi muito tempo nisso... Depois "acordei" com as vozes do meu "Gang" a dizer: "Tu consegues! É só mais um bocadinho! És uma máquina! Uma borboleta! Uma gazela! Tu corres bem! Evoluíste! Controla a respiração com as tuas passadas!"... Vi a imagem deles a "correr parados" a esperarem por mim quando decido parar de correr. E assim forçam-me a voltar a correr... Pensei na minha filha, no seu sorriso, na alegria que ela iria sentir quando me visse chegar. Pensei em bons momentos da minha vida. E fiz-me à luta!... Dei tudo de mim, mas já não foi suficiente para recuperar o tempo que tinha perdido... O meu objetivo era mesmo chegar ao fim a correr...
Quando vi a minha filha foi de uma alegria imensa. Perguntou-me "Mãe, ganhaste?", respondi-lhe que sim, mas não fazia ideia! Passados poucos minutos começam a dizer-me que ia a pódio, em 3º lugar. Fui confirmar e era mesmo verdade. Tinha ficado em 3º lugar na categoria Veteranos I feminino. E pronto! Fiquei contente já se sabe. E aquela parte de "nunca me meto noutra", podem esquecer ok?! Faço intenções de voltar... Até porque este domingo tenho já outra prova! :P





quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Fui falar com a professora dela!

Passado quase 2 meses depois do início das aulas achei que seria interessante ir à escola falar com a professora da minha M. para saber o andamento da coisa. É engraçado porque quando trabalhei no Infantário com meninos de 15 meses nunca pensei nos pais, no quanto eles gostariam de saber dos seus filhos ao longo do dia, tal como eu gostaria de ser uma mosquinha para poder vê-la e acompanhá-la durante o seu dia na escola. Assim imaginava a minha filha... uma menina muito bem comportadinha e cumpridora das regras. Tal e qual. A professora só confirmou o que já pensava. Disse a professora que, no início, ela não era muito afetuosa (realmente nunca foi muito beijoqueira com as pessoas no geral e principalmente com quem pouco lida!), ficava no seu cantinho e maioritariamente interagia com o seu amigo Emanuel. Hoje já está perfeitamente adaptada, já fala mais e já interage mais com outros amigos, embora o Emanuel, como também é um menino bastante calminho, seja o seu "melhor amigo".
A professora diz que ela é toda aplicadinha com os seus trabalhos, muito independente (gosta de fazer tudo sozinha!), muito observadora e criativa, muito expressiva e não diferencia os meninos (brinca com todos por igual!). Muito certinha e sensível com os meninos. Fica com a lágrima no olho quando os meninos são repreendidos e bastante assustada quando presencia que os meninos estão a quebrar as regras. Referiu que vê-se que vem com regras de casa, muito educadinha (usa o "obrigada", o "desculpa" e o "por favor" com frequência!) e com rotinas muito bem definidas. 
Adora o cor-de-rosa (que novidade!!!) e é bastante vaidosa. Adora cantar e dançar. Houve um dia que a professora colocou uma música de folclore e ela levantou logo os braços para dançar... Ah rica filha! :)
Vi a capa dos seus trabalhos (que foram feitos até à data!) e fiquei super orgulhosa da minha menina. Acho que não preciso dizer que sai da escola a escorregar na minha própria baba...


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Ele disse-me...

Um dia ele disse-me mais ou menos assim... que independentemente das escolhas que eu fizesse, ia estar sempre lá para me apoiar, para me ajudar a ultrapassar tudo, porque o seu maior interesse era que eu fosse feliz. Eu sei qual é esse sentimento, porque é o que eu desejo também para a minha filha. Nunca duvidei do amor que ele sente por mim (ou pela minha filha!), como gostaria que todas as filhas nunca tivessem motivos para duvidar do amor do seu pai.
Tem sido um grande pai e um ainda maior avô! Obrigada por tudo, por tudo, pai!

Hoje eu vou sorrir, vou abraçar, vou mimar o meu herói, o meu pai... Faço-o todos os dias, mas hoje mais um bocadinho... E a minha M. com certeza vai ajudá-lo a soprar as velas! Desde que sabe soprar velas, mais ninguém sopra velas na nossa família! :D

Parabéns pai!
Desejo-te muita saúde hoje e sempre e também muita alegria junto de nós que te amamos muitoooooo!

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Aqui estou em paz!

No final do mês passado fui a Santo António Nordestinho. Quem me conhece sabe o quanto eu adoro regressar à terra que me viu crescer... Como a minha M. adormeceu na viagem, decidi parar um pouco na ponte que antecede a minha freguesia (Ribeira Despe-te-que-suas) no sentido de respirar a natureza praticamente intacta que me cercava. Lá consegui fazer uma viagem ao meu tempo, no quanto fui feliz ali durante aqueles anos todos em que lá vivi. A ribeira estava cheia de água. Só conseguia ouvir a água a correr lá em baixo. Estava fresquinho ali, como normalmente é sempre, mesmo no verão. Existem muitas árvores, muito musgo, muita água. No verão há quem faça churrascos e piqueniques ali. Eu cheguei a fazer alguns, com os meus pais e amigos. 
O que é certo é que ali (e em qualquer outro lugar daquele concelho, de preferência em zonas com natureza) sinto-me em paz... Completamente!






segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Desafio 52 semanas #46: Parece que todo o mundo sabe..., menos eu...

O desafia desta semana é dizer o que acho que todos conseguem fazer menos eu, dizer em que sou mesmo, mesmo naba! :)

- Maquilhar-me e ficar com carinha de boneca!
Não sei mesmo. Quer dizer... não gosto de ficar com aquela cara de boneco de cera, que às vezes vejo por aí, porque não me ia sentir bem, mas serviria para eliminar algumas imperfeições e ficar com um arzinho engraçado. Mas, o máximo que consigo é usar um rímel, um risco (que nem sempre fica direitinho) e uma sombra... Está a andar... Sou uma rapariga simples!


- Fazer caracóis no cabelo!
É uma luta à qual já me dou por vencida. Quando era mais nova gostava muito de ter o cabelo com caracóis ou pelo menos com uns jeitos (ainda hoje gosto, mas já me rendi ao meu cabelo liso e escorrido, sem jeitos nenhuns!) e então ficava, às vezes horas sem fim, a tentar fazer uns caracóis... Mas duravam pouco, muito pouco... até que desisti...


- Cuidar de uma planta!
Pohhh é verdade! Apesar da "jardinagem" me fascinar, admito que se uma planta está na minha casa ela dura muito pouco, fica murcha ou seca... Quando vejo sinais de esmorecimento da dita cuja, levo-a para a casa da minha mãe ou da minha sogra e é como se ela ressuscitasse... É incrível! Nunca sei a quantidade de água que devo por e muitas vezes esqueço-me delas... E sou neta da pessoa que mais gosta de plantas que eu conheço à face da terra!


- Tocar instrumentos de percussão e cantar ao mesmo tempo.
Ou eu toco ou canto. Fazer estas duas coisas ao mesmo tempo comigo não resulta. Quando estava na tuna tocava viola e conseguia cantar na boa. Era pacífico. Experimentei todos os instrumentos que existiam: bandolim, cavaquinho, flauta (com este não cantava, como é óbvio!), acordeão, contrabaixo, djambé, pandeireta,... Nunca consegui cantar e aos mesmo tempo estar a tocar os instrumentos de percussão. Nunca! Acabava por perder o ritmo ou esquecer-me da letra... Não dá mesmo! Não fui talhada para isto!


- Ser uma pessoa racional!
Não sou! Apesar das tentativas que já fiz tenho de admitir que sou uma pessoa emocional. Não consigo reagir com a cabeça sem antes o coração ter já feito a sua sentença. Sei que é mau para mim porque muitas vezes quem sai prejudicada sou eu, mas olha... assim sou eu... Sei que a maior parte das vezes quem fica a sofrer sou eu, quem se esquece de mim em detrimento do bem dos outros sou eu, quem se aniquila, quem fica infeliz, quem não avança sou eu... Mas... fazer o quê?!
Acredito, inclusive, que se todos nós ouvíssemos mais o nosso coração em vez da cabeça o mundo seria bemmmmm melhor de se viver! Mas andam com a mania do "ser racional"! Triste opção!... Triste!...


domingo, 12 de novembro de 2017

Sopa de Hortelã

Outro dia deu-me uma vontade de comer sopa de Hortelã. É tão deliciosa, tão aconchegante e transporta-me para o meu passado no Nordeste ou para casa dos meus pais, onde fui verdadeiramente feliz...
Então, deixo aqui como faço...

Num tacho água, umas folhas de hortelã, alho, um pouco de sal e azeite. Enquanto ferve, pico o pão de casa (que convém ser já durinho!). Depois de ferver um bocadinho, junto o pão já picado e fica mais um bocadinho. Depois é só por em cima os ovos, desligar o lume e tapar o tacho para que os ovos cozam... 

Uma verdadeira delícia...


sábado, 11 de novembro de 2017

Visão (muito) pouco agradável...

Estas férias, quando a minha M. me deu uma brechinha numa das vezes que fomos à praia, deparei-me com uma visão medonha... não é que bem na minha frente vi um rabinho bastante bem feitinho cheinho de cabelo!!!! Sim... cabelo! Daqueles mais grossos!!! Fiquei com cara de exclamação durante uns breves segundos... Depois o pensamento de "socorro" foi "Ah deve ser um homem de biquini!", sei lá... hoje em dia já se vê de tudo!!! Mas não era... era uma jovem menina. O segundo pensamento foi "Será que eu também tenho isso?!" e no momento seguinte apalpei-me só naquela para me certificar que estava composta, não que não soubesse, mas só para ter mais certeza.... Depois pensei "Coitada não deve saber! Devo dizer-lhe?! Não! Ela está com o namorado e com uma amiga... Se fosse o caso, eles devem ter comentado com ela e não se importa, ou então têm vergonha de lhe dizer, mas nesse caso que "ricos amigos"!!!".
Como vêem passou-me muitas coisas pela cabeça...e enquanto a moça esteve à minha frente estes pensamentos volta e meia andavam ali a rondar a minha cabeça...
Depilação é uma cena que me chateia muito... Custa-me muitas vezes levantar o rabinho para ir para a tortura, mas tem de ser... às vezes também eu sou apanhada pelo bicho da preguiça, mas um dia tem de ser, principalmente no verão que as pernocas e afins andam mais à mostra! Bom... agora que pretendo ser uma banhista de ano inteiro, lá a depilação vem por arrasto... bahhh...
Depois de terminar a amamentação da minha M. comecei a fazer depilação a laser. Resulta muito bem, mas é preciso muita paciência... Nem sempre temos as zonas em ótimas condições, mas ficamos mais próximas do fim da depilação "foreva"...
Ora bem, isto tudo para dizer que, por mais preguiçosa que seja para a depilação, estaria louca se saísse à rua (neste caso, se estivesse na praia) neste lamentável estado... Se algum dia me virem assim nestes terminos, por favor internem-me, estou mesmo a precisar...
Quer dizer... não tenho nada contra as pessoas que até nem têm complexos desse género, mas em mim, não seria normal...



sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Tive um "date" maravilhoso!

Um dia qualquer, estava eu a vesti-la depois da sua aula de natação, e ela diz-me "Mãe quero pizza! Vamos comer pizza?". Ora... não sou uma pessoa difícil e como qualquer coisa e, além disso, depois de um convite da minha pequenota, que me proporciona tantas alegrias, porque não?! Depois da natação não havia nada que tivéssemos que fazer e até chegar à hora dela dormir ainda tínhamos tempo. E lá fomos nós. Foi um "date" tão, mas tão bom! Às vezes o inesperado é ainda mais doce e mais feliz! ;)
Alguns registos do nosso "date":


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Já temos camas...

Na verdade a cama de casal já existe desde meados de setembro, mas a cama da princesa só foi montada há pouco tempo, pois ela escolheu o gavetão cor-de-rosa e foi preciso encomendar... Como a encomenda foi feita em agosto, quando os armazéns estão fechados, a cama demorou a chegar... mas já chegou e ficou um mimo... principalmente a dela...
Fiz tudo no segredo. Depois de terem ido montá-la, aproveitei para fazer a caminha dela com os lençóis da Skye e com o edredão da Dra. Brinquedos. Como cereja no topo do bolo, coloquei a sua Skye sentadinha na cama à sua espera...
Quando ela chegou ao quarto... Não estão bem a ver!!! Ela ficou feliz, feliz, feliz! Ela nem queria acreditar naquilo que via... Já só pensava em deitar-se na sua nova caminha e dormir... E foi o que fez, só quis comer a sopa e depois "estava cheia de sonecas" dizia ela... cansadinha da semana, da escola, da natação, adormeceu linda e fofinha num instante...








quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Já nem me lembro há quanto tempo não vou ao ilhéu...

Sempre gostei de ir ao Ilhéu de Vila Franca do Campo... Desde pequenina! Foi lá que tirei a minhas braçadeira (na altura só usava uma!) e deu-se o milagre de saber a nadar... Chegamos lá e a minha braçadeira estava com um furinho... Estava um dia de sol poderoso... E eu tinha 2 hipóteses: ou desenrascava-me a saber nadar ou torrava ao sol! Amante do mar como sou (e sempre fui!) não pensei 2 vezes e escolhi a primeira, até porque eu tinha ali o meu pai que não me ia deixar ir ao fundo... Lá me desenrasquei e só tenho boas recordações dos dias que já fui para o Ilhéu. Não havia um ano em que não fosse lá pelo menos uma vez... Aquilo é a natureza pura no mais puro que a palavra exige! A água é maravilhosa, cristalina, transparente... um dia no ilhéu obriga-me a estar lá de corpo e alma, em plena sintonia com a natureza... É do melhor! Aconselho vivamente!!!

No entanto, ir ao ilhéu é para gente rija, isto porque se for para passar lá o dia (como eu gosto!), quer esteja sol ou nublado a malta torra a valer... mesmo... Se estiver um dia de sol poderoso é um dado adquirido de que vêm de lá só lagostas... Seguro é levar protetor 100+ e rezar para ter um lugarinho debaixo do único toldo que lá existe... 
Além disso, agora que o ilhéu é uma reserva natural, a logística de ir ao ilhéu tornou-se uma verdadeira dor de cabeça... Temos de comprar os bilhetes online e além disso ainda temos de esperar numa fila no cais... Ainda não percebi bem como aquilo funciona... 
É por estes motivos que ainda não levei a minha M. lá... Pensava que seria este ano, mas infelizmente não cheguei a ir... Pode ser que seja para o próximo verão...

(Água cristalina... mesmo, mesmo como eu gosto!)

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Importante ir ao dentista desde cedo!

Já era para ter sido antes da escola ter começado, mas só calhou depois. A saúde oral para mim é bastante importante desde cedo na vida de um ser humano. Pessoalmente não gosto de ir ao dentista (quem gosta?!). Nunca tive de extrair dentes, nem chumbar, nem nada de mais complicado. O mais difícil que fui fazer foi mesmo um tratamento de prevenção que me levou a ir lá numa semana por 2 vezes, com direito a anestesia local e escrafrunchanço à grande! O que vale é que a minha dentista é um amor de pessoa e vai-me enganando com a sua doçura!...
Para evitar que a minha filha sofra mais tarde por cáries e situações complicadas (que acontecem a quem não visita regularmente o dentista!) levei-a pela primeira vez ao dentista, que foi um verdadeiro amor com a minha M. Digamos que não foi uma consulta perfeita, até porque ela nem ousou sentar-se na cadeira, mas mostrou os seus dentinhos à dentista e interagiu com ela também... Deu para ver que ela tem uns dentinhos lindos e perfeitos, sem problemas de maior... O que é ótimo! 
Vamos continuar com o acompanhamento com regularidade... Porque cuidar é amar!...




segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Desafio 52 semanas #45: Lembra a minha adolescência...

O período da minha adolescência foi se calhar o período que menos me senti confortável comigo e também com os outros. Epá não sei explicar... Acho que é normal. Foi a fase mais estúpida da minha vida! Bom, mas eu, como apaixonada pela vida que sou, desde sempre e assumo isto intensamente, acho que tudo faz parte desta montanha russa que é "viver" e por isso aqui vão alguma coisas que me fazem lembrar da minha adolescência. São elas as seguintes:

- All Star Converse
Era o top da moda. Toda a gente usava. Cheguei a ter umas azuis e umas vermelhas. Eram super confortáveis. 

- Casacos de penas
Também era o último grito da moda! E eu tive um preto... Hoje acho pouco feminino, mas na altura era o que se usava!


- Xantarix
Os meus pais sempre foram muito ativos e divertidos e sempre que saiam, a qualquer hora do dia ou da noite, levavam-nos com eles. Muitos serões passamos neste espaço que hoje está fechado, mas foi durante algum tempo o Dinus Bar. Eram noite diferentes, extremamente divertidas em que o convívio e a música era ao mais alto nível. E, se calhar, é por isto que gosto tanto de música latina!!!

- Rui Costa (e posters dele na parede!)
Quem me conhece desde essa altura sabe que era fãzíssima do Rui Costa! Eu adorava-o! Lembro-me perfeitamente de recortar coisas de jornais e de revistas e acumular em casa. Ficava lendo e relendo as entrevistas dele e admirando o quão ele era humilde e digno de ter a minha admiração... Nunca fui de colocar muitos posters. Tinha amigos que forravam paredes! Eu não! Tinha apenas um... do Rui Costa!


- Escrever poemas e traduzir letras de músicas
É verdade... dava-me para escrever... Sempre gostei de escrever e na adolescência fazia-o com muita frequência. Eram textos, poemas e fazia traduções de músicas que estavam no top (sempre aprendia alguma coisa!) da Laura Pausini, do Eros Ramazzotti e do Enrique Iglesias. Pois...

domingo, 5 de novembro de 2017

Estamos na época delas...

Já que estamos a beirar o S. Martinho, tenho a dizer-vos que gosto imenso de comer castanhas... De qualquer maneira, mas as minhas preferidas são mesmo as assadas que andam pelas ruas de Lisboa... Em casa o mais próximo que consigo fazer é mesmo as castanhas assadas no forno. A minha mãe costuma fazê-las na sua Actifry, mas eu, como não tenho uma, faço mesmo no forno. A pior parte mesmo é ter de fazer o corte em cada castanha... De resto é colocá-las num tabuleiro com sal e voilá castanhas no forno até a casa ficar com cheirinho a castanha!!! :)