terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Hoje é o dia do meu "tornado"...

Ele é das pessoas mais perfecionistas que eu conheço. Quando assim o entende, dedica-se de corpo e alma a qualquer projeto que lhe apareça à frente, mesmo que tenha que se afastar do que já existe! É seguro de si e sabe bem aquilo que quer, quando quer e quando não quer também. É teimoso e pouca gente o consegue moldar - nem mesmo eu! É o típico "senhor dono da sua razão" mesmo que essa razão seja diferente da do mundo inteiro. 
É das pessoas mais divertidas e bem dispostas que eu conheço!... Quando ele quer e está para aí virado consegue colocar a boa disposição em toda a gente à sua volta. Ele é festeiro, adora dançar e estar com amigos... eu sou mais caseira, embora também goste de sair da toca... Adora rir (tal como eu!) e se calhar este foi, dos muitos atributos que ele tem, que me cativou há um tempo atrás...
É amigo do seu amigo. É fiel e guarda segredos como a sua própria vida. É honesto e trabalhador. É cativante e dinamizador. É tão simpático que às vezes a simpatia que oferece pode ser mal interpretada. É infantil, inocente e ingénuo em certas coisas... mas isso faz dele o que ele é. Se tem um feitio fácil?! Não tem! De todo! É preciso paciência e alguma tolerância perante o espírito independente que ele possui (característica de todos os aquarianos)... 
Não liga a aniversários, datas especiais,... ao contrário de mim que sou uma agarrada ao passado e ficava triste quando ele não se lembrava... Hoje já aprendi a lidar com isso!... Eu festejo por ele, por mim, por todos! 

Um dia os nossos caminhos cruzaram-se e ficamos "presos" um no outro. Apesar dos altos e baixos que temos tido, é das pessoas mais importantes da minha vida e só desejo, com todo o meu coração, que seja feliz connosco (e que nunca se esqueça que nós - eu e a nossa filha - queremos ser felizes com ele!).

Hoje é o dia que o homem-tornado lá de casa faz anos... 37 anos no cartão de cidadão, porque no espírito é sempre um jovem! O meu namorido, o meu namorado, o meu marido, a minha outra metade, o pai da minha filha...

Um brinde a ti pelo teu dia! Sorri, sorri muito! Sabes fazê-lo muito bem!...
Sê feliz e fica feliz ao nosso lado! Essa é a maior alegria que me podes dar todos os dias...

Parabéns meu amor tornado...

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Desafio 52 semanas #05: Fazem parte da minha Wishlist...

Para esta semana, o desafio é dizer o que faz parte da minha whishlist. Confesso que nunca fiz uma, exceto quando era pequena e escrevia a carta ao Pai Natal ou para o meu irmão (quando ele não tinha namorada) na altura do Natal e Aniversário, porque, verdade seja dita, ele nunca sabia (e hoje continua a não saber quando lhe peço opinião sobre as ofertas dos nossos pais!) o que tem de comprar para ninguém... Bahhh!... É uma carga de trabalhos esse pitcheno! :)

Bom, na verdade existem algumas coisinhas que eu gostava de ter, materialmente falando, pois este post é para isso mesmo... Então aqui vai a minha lista de desejos (sonhar não é pecado e nem é a pagar!) que espero realizar, vá, nem que seja 50% deles...

- Viajar... viajar muito pelo mundo todo, especialmente pelas ilhas, ilhotas e países mais quentes... Nomeadamente as Maldivas, Itália, Ilhas Gregas, Tailândia, Bora Bora e Polinésia Francesa, México, Tahiti, Punta Cana e arredores e tudo e tudo o que for assim desse estilo paradisíaco. 
Ainda dentro deste item e, se calhar, em primeiríssimo lugar da "whishlist viagens", gostava de regressar ao Brasil e de lá permanecer uma temporada para efetuar um roteiro à maneira. Como esta parte é um pouco improvável (a não ser que ganhe o Euromilhões e me concedam uma licença sem vencimento de 1 ano para isto), quero definitivamente regressar ao Brasil (se possível umas quantas vezes!), principalmente ao Rio de Janeiro e para conhecer outras zonas que ainda não conheço. Também quero ir a S. Paulo, mas só porque tenho lá família e amigos!...

- Quero um dia ter um KIA Sportage ou um Nissan Qashqai. Como na altura em que o possa vir a ter já devem existir novos modelos, a marca e o modelo poderão ser alterados até lá. Neste momento, se pudesse adquirir um seria um destes.


- Gostava de ter este chão na minha futura casa. Vamos lá ver se calha...

- Gostava de ter um MacBook air, assim rosa e piroso como este (vá pode também ser branco para ser mais soft!).


- Gostava também de ter um IPhone 7 da cor do MacBook (Rosa ou Silver), mas só para combinar, porque disto, ainda, não tenho necessidade...


- Também gostava de ter uma máquina fotográfica daquelas que tiram fotografias xpto, lindas, definidas, quer faça sol ou chuva, esteja de dia ou escuro... uma tipo esta...


- Ah e, claro, gostaria de ter uma casa pequenina só de um piso, com terreno em toda a volta perto da praia (se não fosse perto da praia, que tivesse espaço para fazer piscina!) para poder ver os meus filhos/netos brincarem ao ar livre e também para poder ter a minha hortazinha... Este é só um sonho, uma vez que a futura casa está já a caminho e é de 3 pisos e sem muito terreno à volta!



- Ter um bar numa praia de ilha paradisíaca qualquer com bebidas tropicais e música Reggae ao vivo. Algo tipo isto...

E pronto, acho que é só! :)
Sonhar não mata ninguém...

domingo, 29 de janeiro de 2017

Brigadeiros: um sonho!

A dada altura percebi que a minha M. adorava brigadeiros (nisto sai toda à sua mãe!). Então, este é um docinho que costumo fazer-lhe em todos os seus aniversários, desde os seus 2 anos. Mas fazer brigadeiros implica fazer bolinhas de chocolate e, verdade seja dita, eu nunca cheguei a fazer as bolinhas, pois acabava por comer o brigadeiro à colher (manias!)...
Como era o aniversário dela, não podia fazer isso, então decidi ir em busca de uma recieta de brigadeiro de colher para colocar em copinhos pequeninos (sempre era mais fácil para as crianças  - e os adultos - comerem e sujavam-se muito menos!)

Apenas 3 ingredientes:
- 100gr de Chocolate
- 370gr de Leite condensado
- 200gr de Natas

- Colocar o chocolate no copo - 3 ou 4 toques no Turbo.
- Pulverizar o chocolate (5 segundos, vel. 9). Com a espátula baixar o chocolate que ficou nas paredes do copo.
- Juntar os restantes ingredientes e programar 24 minutos, temp. 100º, vel. 4, colocando por cima da tampa o cesto, em vez do copinho.
- Quando terminar, colocar em copos pequenos. Deixar arrefecer e decorar.

Mais fácil impossível!

Ficaram assim (os da direita! Os da esquerda é gelatina que ela também adora!):



sábado, 28 de janeiro de 2017

E hoje (neste preciso momento) fazes os teus 3 anos...

... ainda "ontem" eras uma bebé e hoje és já uma menina (pequenina, é certo! Acho que para mim vais ser sempre pequenina, mas pronto!)...
3 anos de muita alegria, de muito amor e de muita aprendizagem...
3 anos de alguns choros, de gargalhadas bem dadas, de abraços e de beijos...
3 anos de sustos, de batalhas ganhas e de muitos "sacrifícios"...

Hoje fazes 3 anos de filha e contigo, há 3 anos, nasceu também uma mãe (eu!) que não fazia ideia do quão grande é este dom, de quanta responsabilidade ele acarreta, do quão gratificante é ver outro ser crescer e educá-lo segundo os princípios que consideramos ser os corretos. Foi desde o dia do teu nascimento que comecei a compreender a minha mãe e a maioria das mães (daquelas com "M" grande como a minha!) que por aí andam. Dos "sacrifícios" que fazem e fizeram pelos seus filhos, sem nunca baixar os braços. O quanto elas tiveram de "fechar os olhos", de "engolir em seco", de "fingir que está tudo bem" só para que os filhos fossem felizes. Quantas mães não sofreram baixinho, no silêncio da noite quando todos dormiam para que no dia seguinte a luta continuasse de sorriso na cara?! Agora que sou mãe, orgulhosamente a tua mãe, percebo até onde vai o amor de mãe - vai até ao infinito e mais além...

Há 3 anos, além de nasceres e de eu nascer contigo como tua mãe, também nasceu um pai, avós, padrinhos, tios, primos e amigos que hoje te felicitam e desejam apenas o que a vida tem de melhor. Também eles aprendem todos os dias contigo e se tornam seres melhores contigo, com a tua presença. Também eles me ajudam a trilhar-te o melhor caminho, também eles te passam os valores que deves guardar e utilizar pela tua vida fora... Em nós poderás apoiar-te sempre que precisares... 

Filha, és muito especial e, só quem contigo convive percebe isso, mesmo apesar das birras que, às vezes, fazes. Espero que Jesus continue a viver no teu coração e te torne numa mulher de coração bom e generoso, cheia de garra e convicções, sem nunca te esqueceres de respeitar o próximo e o mundo onde vivemos e de praticares os valores e ensinamentos que te tenho incutido desde o teu/nosso primeiro dia de vida. És a minha força de viver e é por ti, pelo teu sucesso, pela tua felicidade, pelo teu sorriso lindo que acordo todos os dias com vontade de continuar a lutar por dias melhores para ti, para mim, para nós!

Amo-te cada vez mais todos os dias da minha vida!...



28 de janeiro: o dia mais feliz e lindo de toda a minha vida!

Há 3 anos atrás, às 19h10, nasceu a menina dos meus olhos, o verdadeiro amor da minha vida! Depois dela nascer, fomos para o primeiro quarto que tínhamos estado antes dela nascer. Eu estava bem. Sentia-me bem. O namorido estava radiante. Nunca o tinha visto daquela forma! Estávamos ambos assim meio alucinados com o que nos tinha acabado de acontecer e estávamos a digerir aquela mudança brusca na nossa vida.
Ficamos ali os 3 os primeiros momentos de vida da nossa filha a admirá-la e a segurar-lhe ao colo. Mandei sms ao meu obstetra a contar o sucedido. E depois aos poucos fomos enviando sms aos nossos familiares e amigos mais chegados a contar a boa nova. Houve quem não acreditasse à primeira, até porque ninguém estava à espera desta notícia tão cedo... Nem nós! Tínhamos montado o berço no fim-de-semana antes e a mala dela tinha ficado pronta no dia antes... Foi tudo à risca (nunca imaginávamos que íamos precisar já no dia seguinte!). Quis ela nascer um mês antes, com 36 semanas e, por nós e por todos, foi incrivelmente bem recebida e muito amada...
A enfermeira Odete permitiu que os meus pais, irmão e cunhada fossem lá um bocadinho para conhecer a bebé (e acho que também queriam ver como eu estava, mas isto sou eu a pensar!). Foi um momento verdadeiramente emocionante. Apresentar a minha filha à minha família foi a maior alegria que lhes podia ter dado.
Depois fomos para a maternidade as duas e lá ficamos. Recebi a primeira visita de uma enfermeira amiga dos meus pais que me deu a dica maravilhosa de me levantar para ir ao wc antes da meia-noite e, se assim o fizesse, tirar-me-iam o soro! E assim foi. Fui ao wc e vieram automaticamente retirar a agulha do soro... Nessa noite já dormi sem fios agarrados ao corpo e com a minha filha ao lado... Bom... na verdade eu não dormi! Passei a noite toda a olhar para ela, a contemplá-la e a meter na minha cabeça de que aquela menina era mesmo a MINHA filha, a minha Matilde... Se há conselho que dou às minhas amigas quando vão ter os seus filhos é de que durmam na primeira noite, mesmo tendo muita adrenalina no corpo e de quererem estar a olhar para os filhos continuamente... É que no dia a seguir (e na noite seguinte também!) parecia uma zombie...
A primeira noite dela foi calminha. Era preciso acordá-la para ela comer, pois caso contrário lá ficava... Eu mantive-me sempre de sentinela... Tudo era tão novo... E o medo era imenso...

Neste mesmo dia, há 5 anos atrás tínhamos recebido a notícia de que o meu irmão tinha vencido o bicho! 5 anos depois, no mesmo dia, nasce a minha filha! Só pode ser um bom presságio! Adoro o dia 28 de janeiro! Já ganhei o Euromilhões 2 vezes nesse mesmo dia (em 2009 pelo meu irmão e em 2014 pela minha filha!)! São só notícias maravilhosas!...

Foi o dia mais feliz de toda a minha vida para somar a outros também felizes, mas este, claro, foi o mais especial, mesmooooo...
Para ela só desejo saúde e amor. Qualquer que seja a escolha que ela faça na sua vida, existe a certeza de que cá estarei para apoiá-la e orientá-la para o melhor caminho... Este amor que sinto pela minha filha é indescritível e imensurável...
Que hoje ela possa disfrutar do seu dia em pleno e que seja hoje e sempre muito feliz! O mundo merece ter o teu sorriso lindo e sincero, minha querida e doce Matilde...

Parabéns pelo teu 3º aniversário de vida! 
És o motivo porque vivo e porque não desisto...
És o motivo da minha felicidade!...
Amo-te filha, mais do que as minhas palavras podem expressar! 





sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

O dia mais feliz da minha vida - parte IV

Nesse momento em que ela estava já a sair, só oiço a enfermeira Odete a dizer "Não faças força! Não faças força!"... Pensei eu "Olha agora! Tiveram o tempo todo a pedir-me para fazer força e agora que estou com a embalagem toda pedem para parar?!" Aquilo não funcionava assim... Até porque era uma força sobrenatural da qual não tinha controlo. Todo o meu organismo pedia para fazer força... Até que me apercebi que a minha menina estava com o cordão umbilical à volta do pescoço e tentei parar de fazer força, com toda a força que tinha... Graças a Deus correu tudo bem e a minha menina saiu bem, às 19h10 do dia 28 de janeiro de 2014...
Puseram-na em cima da minha barriga enquanto o namorido cortava o cordão umbilical... Ela estava num tom cinza... Via as suas perninhas esticadas, com os seus 10 dedinhos, fiz-lhe festinhas na sola dos pés! Tinha as mãos a tremer... Sabem aquela imagem da bebé nua em cima da barriga da mãe a olhar para ela?! Utopia, meus caros!
Levaram-na para um quartinho ao lado daquela sala para a aspirarem e fazerem o que se faz (que eu não faço ideia o que mais fazem com eles...) com os recém-nascidos. Entretanto estava lá eu, toda literalmente aberta... Sentia como que se tivesse passado um camião por cima de mim... O namorido ficou ali comigo. Pedi-lhe para ir ver a bebé... Não fossem trocá-la com outra bebé sem vermos! Sei lá... Naquele momento passou-me tudo pela cabeça!...
Comecei a tremer de frio... Julgo que foi efeito da epidural (aquela anestesia que quase nem dei por ela... Essa mesmo...!). Taparam-me com o que tinham à mão... e, por ter-me rebentado muitos vasos sanguíneos, a enfermeira Odete não conseguia "coser-me" bem e então pediu ajuda ao Dr. André Sampaio, que foi um amor de pessoa e bem disposto (que era mesmo disso que estava a precisar!). Veio com mais um médico, que não me recordo do nome, mas era novinho... Ambos ali a verem muito mais do que alguma vez vi de mim!!! Aquele "bordado a ponto cruz" que me faziam doía tanto, tanto, uma dor bem fininha e irritante (não como a do parto que era gigantesca), que acharam melhor anestesiar-me localmente! Ala mais anestesia para o organismo, como se eu não tivesse levado a tal epidural! Se tiver outro filho, peço epidural no momento do inquérito, só para assegurar a coisa lá para a hora do parto! :P
Depois de um tempo trouxeram a minha menina para junto de mim, vestida com a roupinha que lhe tinha escolhido, cor-de-rosa, a cor que ela, ainda hoje, diz ser a sua preferida. Com o seu gorro a dizer "Baby girl", toda embrulhadinha e sossegadinha... Colocaram-na do meu lado esquerdo e ali ficou. Foi a imagem mais bonita que vi em toda a minha vida! Uma bebé linda, perfeitinha, com umas pequenas bochechinhas, toda pequenina e frágil e, naquele momento só pensava "Agora tudo será diferente. Agora este pequeno ser depende de mim. Será que vou conseguir ser uma boa mãe para ela?!" e, nesse momento, prometi a mim mesma que acima do meu querer, da minha vida, da minha felicidade, estaria a dela... Nesse momento, agradeci a Deus por me ter colocado nos braços aquele ser por quem daria a própria vida... Passei a acreditar no amor à primeira vista! :)
Perguntaram-me se eu ia dar de mamar nessa altura. Eu disse que ia tentar, mas pensava que ainda não tinha leite (porque até então não tinha visto qualquer vestígio!). Quase que "gozaram" comigo e disseram "Claro que tens! Queres ver?!" e meteram-na a mamar... e o segundo milagre do dia aconteceu! Estava a alimentar a minha filha... E surpresa das surpresas... Não era assim tão ruim, tão estranho como pensei que ia ser...





O dia mais feliz da minha vida - parte III

Depois da epidural, as coisas melhoraram consideravelmente... Sentia dores, mas não tão fortes como estava a ficar antes da "drogazita boa"... O namorido quis ir ao carro buscar a máquina fotográfica (e fumar uma cigarrilha - para comemorar só pode!) e eu lá fiquei com a minha cunhada e a enfermeira Odete...
Mas, mal ele saiu do quarto, uma dor impossível de controlar tomou conta de mim... Precisava urgentemente de ir ao wc (mesmooooo!)... Novamente a enfermeira Odete disse que antes de eu ir ao wc teria de fazer novo "toque"... Ainda antes de fazer o tal toque, pediu-me para eu fazer força. Achei estranho e, como não queria ter a minha necessidade feita ali, recusei-me a fazê-la ali... Quando ela me diz "Essa dor é para a sua menina nascer. Temos de ir já para a sala de partos!"
Pânico!!!! Senti que o meu relógio andava a 200km/h, porque nem 1h tinha passado, pensava eu...!
"Sala de partos?! Isso é aquela sala onde a bebé nasce?! E onde ficaram as 12h?". Nesse momento tenho registado a última sms para o meu obstetra, às 18h40, a informá-lo que a minha Matilde ia nascer...
A minha cunhada chamou o namorido que tinha acabado de chegar ao carro e de acender a sua cigarrilha. Teve de apagá-la e vir ter comigo às corridas até porque ele também teria de assistir àquele momento em que a nossa filha ia nascer...
Na famosa sala de partos senti-me literalmente um frango no churrasco, daqueles todos abertos que se compram ali no hiper... O namorido estava do meu lado esquerdo a segurar-me a mão e a minha cunhada passou a ser a fotógrafa de serviço. Entre as minhas pernas, lá ao fundo, tinha pelo menos 2 enfermeiras, a D. Odete e uma outra que não fixei o nome e nem me recordo da cara (há coisas que se apagaram da minha memória, com muita pena minha!). 
Dali a nada chega a primeira enfermeira com quem me tinha cruzado quando cheguei ao hospital: a que me fez o inquérito inicial, e ficou ao meu lado direito. Fiquei feliz por ela ter querido estar presente! Gostei dela!
Agora sim, doía mesmo muito e com muita frequência. "Afinal que raio de epidural me deram?!" - pensava eu - "Para aquilo teria de ser administrada dose de cavalo! Que era aquilo?! Era tão frequente e tão incontrolável...".
"Força! Força! Faz força!" diziam-me todas ao mesmo tempo... Precisava de me concentrar e não estava a conseguir! Pedi-lhes para falarem uma de cada vez que eu tinha de me concentrar para fazer força... A enfermeira do inquérito apertava-me delicadamente a barriga para me ajudar a expulsar e a minha bebé nada de sair... Houve, inclusive um momento, que olhei para o namorido e só lhe dizia "Eu não consigo! Eu não consigo!" e ele apenas olhava para mim, com aquele ar preocupado, sem saber o que fazer ou dizer... um ar que eu poucas vezes vi em quase 11 anos de convivência...
Só me lembrava da conversa perigosa que me assombrava "A paralisia cerebral acontece no parto!"... Tinha de por a minha menina para fora o quanto antes... E não estava a conseguir... 
Entretanto, estava lá um médico ou enfermeiro, não sei... só sei que se chamava António, armado em carapau de corrida a dizer que com a sua ajuda é que ia ser! "Olha-me este cromo!", pensei eu, "Quem vai ajudar a minha menina a nascer sou eu, não és tu que vens aqui dar-me socos na barriga para ela sair...". A enfermeira do inquérito disse que não era preciso a ajuda dele que eu conseguia sozinha (ah boca santa! Eu sabia que ela tinha aparecido por algum motivo: ser o meu anjo da guarda!) e assim foi!...

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

O dia mais feliz da minha vida - parte II

No hospital deram-me as roupas espetaculares para eu vestir e um saco do lixo para colocar as minhas (!!!). Já com o novo modelito, fiz o primeiro CTG. Nunca o tinha feito antes... Enquanto o fazia, respondia a um enorme inquérito feito por uma enfermeira super simpática que me disse estar apenas a fazer trabalho de secretariado naquele dia... O melhor de tudo foi estar sempre a ouvir o coração da minha princesa... Ela fez-me o meu primeiro "toque" e foi do mais querida que podia haver, pois disse-lhe que tinha ouvido horrores sobre os "afamados toques"... Disse-me que tinha 1cm de dilatação, portanto, era provável que ficasse no hospital 48h para observação, pois aquilo podia não evoluir, até porque estávamos de apenas 36 semanas...
Mãe nunca desiste dos filhos, por isso não sei como a minha mãe conseguiu, mas ela apareceu ali. Queria ver como eu estava. Na altura não queria vê-la, porque queria estar calma e tinha a certeza que ela podia por-me nervosa, mas hoje percebo que ela só estava preocupada comigo e queria ver com os seus olhos que eu estava bem...
O namorido ligou-me a perguntar como estavam as coisas. Depois do que a enfermeira me tinha dito, disse-lhe que estava tudo bem, que depois que ele saísse do trabalho poderia vir ter comigo, mas que estava tudo normal.
Dali a pouco fui pelo meu pé para o Bloco de Partos juntamente com um senhor e uma senhora de cadeira de rodas (também me perguntaram se queria uma, mas eu estava bem, disse que não ia precisar...) e fiquei instalada num quarto só para mim, com uma enfermeira espetacular chamada Odete (não me recordo do último nome!), que me colocou o soro da forma mais delicada possível (não doeu nada como eu imaginava que poderia doer! Sou muito mariquinhas!)...
Chegou o namorido e lá ficou comigo... Eu estava bem! Não sentia dores quase nenhumas... Estava ali deitada... Até que comecei a sentir uma moínha estranha e comentei com a enfermeira Odete. Ela disse que teria de fazer um "toque". Falei-lhe novamente do meu trauma com os "toques" e, mais uma vez fui abençoada pelas mãos de fada dela... Olhou para mim e disse "Temos de chamar a equipa de anestesia!", perguntei-lhe porquê. Ela disse que a hora de levar a epidural, caso quisesse (óbvio que queria!), seria agora ou depois não poderia levar. Estava com 4cm de dilatação. Nessa altura comecei a formatar o cérebro para o parto, mas ela tranquilizou-me e disse "Oh minha menina, ainda tens pelo menos 12h pela frente!"... 12 horas???? 12 horas nisto?! Oh meu Deus... 
Nesse momento chegou também a minha cunhada, que é enfermeira e soube que estávamos lá... De seguida veio a equipa da epidural e, mais uma vez, mãos de fada mexeram no meu organismo... Não sei se pela adrenalina, se pelo nervoso miudinho que fingia não sentir, nem a agulha do soro, nem a da epidural, nem os toques me magoaram... Quem me conhece sabe a minha aversão a hospitais, médicos, enfermeiros, agulhas,... e o nascimento da minha filha foi tudo tão perfeito!... 


O dia mais feliz da minha vida - parte I

Acordei... fui tomar banho... quando voltei olhei-me ao espelho... a minha barriga estava demasiado subida e pensei "Ainda tenho um mês para ela descer... não vou stressar por causa disso!" (diziam que com a barriga subida o parto era mais complicado...). Hoje, às 17h30 teria a consulta das 36 semanas da minha filha... Ia ouvir o seu coração e vê-la do pequeno ecran mais uma vez...
Fui ao hiper! Já tinha começado a comprar os mantimentos para os tempos de clausura que se avizinhavam... Tinha a certeza de que se pedisse detergente de roupa "X" ao namorido ela não saberia comprar aquele que eu queria, então, aos poucos fui começando as compras para ficar descansada nos próximos meses... Comprei também os ingredientes para o bolo brigadeirão que lhe ia fazer pelo seu aniversário no próximo dia 31, porque ele é um "chocolate addicted"...
Fui para a casa dos meus pais... às 15h fui levar a minha mãe à consulta de ouvidos que ela tinha (na altura ela pensava que não ouvia bem!) e trouxe o meu irmão para almoçar em casa. O combinado seria depois levá-lo ao trabalho pelas 16h e trazia a minha mãe comigo...
Ele estava na cozinha a almoçar e eu no escritório a atualizar o meu facebook quando, pelas 15h30............... senti uma grande quantidade de água quente a sair de mim, sem eu ter qualquer tipo de controlo, e que me deixou toda molhada. Fui logo ao wc e, como estava de preto, não conseguia ver a cor do tal líquido.... Comecei a tremer quando vi o tal que me parecia ser o "rolhão", mas como nunca tinha passado por aquilo não tinha a certeza... Chamei o meu irmão... à 2ª chamada ele veio e disse, com cara de pânico (como eu tinha a minha!), mas fingindo não a ter, "Se calhar rebentaram-te as águas!"... Disse-lhe que não devia ser porque isso só aconteceria no mês que vem... Pedi-lhe que ligasse para o meu médico para ele me dizer o que devia fazer. Não atendeu! Estava a dar consultas, claro! Pedi-lhe para ligar para uma enfermeira que me tinha dado uma "formação" e ela disse para ir para o Hospital... A sair de casa dos meus pais liguei ao namorido e contei-lhe o que se passava, que depois de estar no hospital dizia-lhe algo...
Passei em casa para trocar de roupa (não ia ao hospital molhada daquela maneira!)... mas mal pus uma nova roupa, mais uma quantidade de água saia e molhava a minha roupa de novo... Lá fui eu de pijamas para o hospital, pois eram as únicas calças pretas que me restavam (não podia correr o risco de pensarem que estava a fazer xixi pelas pernas abaixo, por isso só podia vestir calças pretas!)...
Nesse momento, o meu médico retribuiu a chamada que lhe tinha feito (o meu irmão, no caso!). Disse-me para ir para o hospital e para levar as minhas coisas e as da bebé, pelo sim pelo não. Para as deixar no carro, caso fosse preciso... Mas teria de lá ir ver o que se estava a passar e que depois das suas consultas ia ver-me... Estivemos sempre em permanente contacto por sms durante todo o resto do dia... Um anjo o meu obstetra!
Eram 16h quando entrei no hospital com o meu irmão, ignorando as chamadas desenfreadas da minha mãe, por estar na hora do meu irmão entrar ao trabalho e nós sem aparecermos perto dela. Pedi-lhe para ele ir buscar a nossa mãe, mas para ela não vir ter comigo, pois a minha mãe é demasiado nervosa e naquele momento eu precisava de muita calma para lidar com o que me estava a acontecer... Tenho um trauma com hospitais e quanto mais calma estiver, melhor!...


quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Ninguém gosta de mim como ela...

Depois de ver o primeiro risquinho, de ouvir o batimento do seu coração e de vê-la no pequeno ecran, ainda na minha barriga, de sentir o primeiro pontapé, de comprar a primeira roupinha, o primeiro brinquedo, depois de ver a minha filha ao vivo pela primeira vez e de tê-la no meu colo, percebi o verdadeiro amor de mãe, aquele amor que a minha mãe sente por mim. É um amor que ultrapassa todos os limites e, olhando para trás, rio-me ao aperceber-me de que o verdadeiro amor da minha vida estava ali no meu colo, indefesa, pequenina, dependendo única e exclusivamente de mim: a minha filha! Da mesma forma que eu (e o meu irmão) somos o verdadeiro amor da minha mãe (Desculpa pai! Ela ama-te, sabemos disso, mas é um amor diferente do que ela sente por nós!)...

Ela é a pessoa que nunca me vira as costas, que sempre me defende, que sempre está lá quando eu preciso. É a pessoa a quem eu, por mais que alguma vez tenha tentado, nunca consegui mentir, pois antes de eu falar já ela sabia que eu estava a mentir. É a pessoa a quem eu não consigo esconder nada, por mais que me esforce (e às vezes juro que me esforço), porque ela conhece-me mais do que qualquer outra pessoa. Ela conhece-me muito mais do que aquilo que conheço a ela. Se calhar ela consegue adivinhar os meus próximos passos, mesmo antes de eu os dar. É a minha mãe e a minha melhor amiga...

Hoje ela faz anos, mesmo que ela não goste de os fazer. É o dia dela, de ela fazer o que quiser, de vivê-lo segundo a sua vontade, de cometer algum capricho (ou alguma loucura mesmo!)... É o dia de vê-la sorrir e de fazê-la sentir ainda mais especial do que ela é: é esta a nossa missão!

Mãe, que tenhas um dia muito feliz e que sorrias muito, pois mereces tudo de bom que há nesta vida!... 

Parabéns pelo teu aniversário!
Vive-o!...

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Finalmente fizêmo-la!

Quando estava grávida, à beira de ter a minha M., um grupo de amigas minhas do trabalho (e da vida!) decidiram oferecer-me um voucher para uma sessão de fotografias para bebé daquelas todas fofas que se costumam fazer agora...
Resultado: só depois de quase 3 anos consegui fazê-lo!
Se me arrependo?! Se calhar um bocadinho por não ter daquelas fotos de bebé contorcido naquela fase tão mágica da minha vida... Mas depois de ver o resultado do que foi a nossa sessão de fotos fico maravilhada! 
Agradeço a Deus por ter tido uma filha linda e de sorriso contagiante como a minha, com saúde e boa disposição! Ela é, sem dúvida, a luz da minha vida!
Foi uma tarde diferente e muito gira! A certeza de que vamos repetir a experiência um dia destes...
Obrigada ao João por ser um amigo e fotógrafo muito humano e querido!...
(Forem estas as culpadas!)

(Um cheirinho do resultado!)

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Desafio 52 semanas #04: Minhas citações preferidas são...

Há frases que me acompanham desde sempre... outras que apenas acho giro pela piada que têm ou pela verdade que transmitem. Eis as que mais me dizem algo:

- "Não viva para que a sua presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida..." - Bob Marley.
Esta frase desde sempre me acompanhou...

- "Há 3 tipos de pessoas: as que fazem, as que vêem fazer e as que perguntam o que aconteceu" - John Newborn. 
A esta frase (que está sempre na minha secretária) eu acrescentei "...e ainda há pessoas que não fazem, até vêem fazer e quando aconteceu, falam mal!..."

Frases de Padres que admiro:
- "Quando temos Deus no coração, nenhuma tristeza pode ser maior que nossas esperanças." Padre Fábio de Melo
Ter fé no coração é das coisas mais importantes para enfrentarmos o nosso dia-a-dia com coragem...

- "Reclamar menos, agradecer mais. E se você acordasse hoje apenas com as coisas pelas quais agradeceu a Deus ontem?!" - Padre Christian Shankar
Esta como tantas outras frases que este anjo e sábio me transmite sempre que sinto necessidade de ouvir a sua pregação. Ele tem um dom. É padre mas sabe tanto ou mais sobre relacionamentos do que qualquer outra pessoa. Se ele não fosse padre, tenho a certeza que seria o marido perfeito.

Frases de livros que li:
- "O verdadeiro sentido da vida é sermos honestos connosco próprios e percebermos aquilo que nos faz felizes." - Manuel Forjaz em Nunca te distraias da vida
Se soubermos aquilo que nos faz felizes somos tolos se não nos proporcionarmos à felicidade...

- "É melhor não viver do que não amar." - Paulo Coelho em Adultério
Viver tem de ser amando, sentindo paixão por algo, alguém, poucos ou muitos, mas que seja sempre com amor e paixão... Não faz sentido se assim não for! :)

- "Eu não preciso de ti. Tu não precisas de mim. Mas, se tu me cativares, e se eu te cativar, ambos precisaremos, um do outro" 
- "Era uma pessoa igua a 100 mil outras pessoas, mas eu fiz dela um amigo, agora ela é única no mundo."
- "É só com o coração que conseguimos ver de verdade, o que é essencial é invisível aos olhos." 
Todas de Antoine de Saint-Exupéry em "O Pequeno Príncipe"

Todo o livro em geral é uma mão cheia de grandes ensinamentos e frases que adoro no que diz respeito às relações que mantemos na nossa vida. Tudo faz parte do "deixar-se cativar", do "querer". Quem não se deixa cativar pode ter 1001 razões humanamente aceitáveis. Quem se deixa cativar e quem cativa, deixa marcas em nós e nós neles para toda a vida.

- "Os olhos sempre dizem a verdade." - Nicholas Sparks
Esta como tantas frases que me cativam nos livros de Nicholas Sparks, dizem tanto daquilo que acredito ser verdade...

De filmes que não vi:
- "Aqueles que nos amam nunca nos deixam de verdade" - Harry Potter
Eu acredito verdadeiramente nisto. Se o amor for realmente verdadeiro nunca acaba...

De gente que admiro:
- "Dê ao mundo o melhor de você. Mas isso pode não ser o bastante, Dê o melhor de você assim mesmo. Veja você que, no final das contas, é tudo entre você e Deus. Nunca foi entre você e os outros." - Madre Teresa de Calcutá
Não é fácil mantermos a mesma vontade de agradar a quem nos ignora, mas se praticarmos o bem sempre, pode ser que um dia recebamos frutos...

- "O primeiro a pedir desculpas é o mais valente. O primeiro a perdoar é o mais forte. O primeiro em esquecer, é o mais feliz." - Papa Francisco.
Um ensinamento que todos devíamos seguir. Não seria este mundo melhor?!

De desconhecidos:
- "Um verdadeiro homem não é aquele que conquista várias mulheres num dia e sim a mesma todos os dias."
Esta citação é tão verdade, pois é muito mais difícil manter uma relação do que conquistar alguém... A manutenção é para os que têm coragem, para os fortes e ricos de valores!...

- "Quem meus filhos beija, minha boca adoça."
Desde que nasceu a minha filha que isto passou a ser tão verdade na minha vida. Amigos meus de verdade passaram a ser aqueles que se importam com o meu bem mais precioso - a minha filha - que perguntam, que a mimam, que brincam com ela, que a fazem feliz,... o resto é "só para encher chouriços", como se diz...

- "Uma atitude pode mudar uma história."
Tão verdade. Dai termos de ponderar muito antes de qualquer atitude... Sempre! É difícil, mas não é impossível...

Um texto que sempre me disse muito e me mostra sempre que nunca estou sozinha, mesmo nos momentos menos bons:




E depois existem textos/frases que sempre fizeram parte da minha vida por serem tão belos, como este:
"Só deixarei de te amar quando o véuda morte tapar os meus olhos, mas mesmo assim terás provas do meu amor, pois em meu túmulo nascerá uma rosa branca, cujas pétalas estarão escritas em letras de sangue - Ainda te amo!..."

E ainda a célebre frase do meu sábio chefe, com a qual concordo perfeitamente... "Para um relacionamento dar certo são precisas 2 coisas: espírito de equipa e não faltar aos treinos!".


E, finalmente, existem frases de personagens de telenovelas que eu adorei ver e que me fazem rir. São elas estas:
- Do Félix:









E a melhor de todas é:
Demais!!!

Da Atena (adoro esta atriz!):








domingo, 22 de janeiro de 2017

A melhor sobremesa do mundo: Pavlova da minha amiga

O ano passado aventurei-me numa sobremesa que há muito queria fazer e que uma amiga minha teve a gentileza de me dar... Para primeira vez saiu-me perfeitamente bem! As dicas da minha amiga foram infalíveis! Fi-la o ano passado pelo aniversário da minha filha e do meu namorido e penso que vou voltar a fazê-lo porque a dita cuja é mesmo muito boa!

Falo, claro, de Pavlova! E eis aqui como a fiz:
- 4 claras de ovo
- 250gr de açúcar (eu pus menos quantidade)
- 2 colheres de chá de amido de milho (maizena)
- 1 colher de chá de vinagre de vinho branco

1º Ligar o forno a 180º (como o meu forno é antigo, foi a olho...);
2º Usar uma forma de cheesecake e untá-la (usei uma antiaderente e coloquei o spray milagroso e depois farinha à volta);
3º Na bimby bater as claras em castelo e juntar o açúcar colher a colher enquanto se batem as claras;
4º Juntar o amido de milho e o vinagre (nessa altura já vai estar pegajoso!)
5º colocar na forma e forno com ele.

Nessa altura devemos baixar o forno para 150º e deixar lá por 1h15. Ao fim desse tempo, espetar um palito e a Pavlova deve estar estaladiça por fora e húmida por dentro. Se assim estiver, desligar o forno e deixá-la mais 1h no forno com um bocadinho da porta aberta.

Em cima, já frio, colocar a cobertura que quiser: natas, frutas variadas, compota, chocolate,... É uma verdadeira delícia!

Esta foi a minha!

sábado, 21 de janeiro de 2017

Hoje é dia das Bodas de Prata deles!

Eles eram, na minha altura, fenomenais!
Hoje é o aniversário da Tuna Masculina da minha Universidade: a Tuna Camoniana "In Vino Veritas"(25 anos)! Sempre os admirei, pela forma de tocar, pela postura em palco e fora dele, e também pelo espírito que sempre demonstraram ter!
Eu, para eles, era a "açoriana" e, para não fugir à regra, também gozavam com a minha pronúncia. Acho que se não fosse o Facebook, muitos deles não sabiam o meu nome! Nunca recebi nenhum comentário, nenhuma atitude menos nobre que um homem possa ter por uma mulher. Sempre me trataram bem, nunca me faltaram ao respeito e sempre me senti uma "donzela" protegida por eles. Ainda hoje alguns deles, com quem ainda mantenho algum contacto, me chamam "miúda". Normalmente, não gosto que me chamem assim, mas se for eles eu deixo. Eles podem, porque o tom que eles utilizam para me chamar assim, é como que se eu fosse um ser pequenino a precisar de proteção. Que eles são os grandes e eu a "miúda" que precisa ser protegida. E, acreditem, eu era uma verdadeira "pain in the ass", principalmente para aqueles que tocavam viola. Como eles tocavam muito bem (eram os meus ídolos musicais da universidade), sempre que eu apanhava algum de viola na mão pedia que me ensinasse a tocar a música A, B e C. Às vezes eu não tinha a minha viola comigo, mas arranjava logo um papel e uma caneta para anotar os acordes para treinar depois em casa... Nem sempre conseguia, porque nem sempre eram acordes fáceis, tipo Dó, Ré, Mi... Havia sempre um dedilhado lixado e um dedinho que tocava numa qualquer corda esquisita só para chatear!...

Consolava-me toda a ouvi-los tocar... Trajados, não trajados, em palco, fora dele, sempre que ouvia alguém tocar algures na universidade, lá ia eu a "correr" para onde o som vinha, normalmente no bar ou na sala de instrumentos, e lá ficava com eles, a deliciar-me a vê-los tocar. Cheguei a assistir a um ou outro ensaio e eram de uma disciplina que não vi igual...

A última vez que estive com alguns deles foi cá em S. Miguel, quando foram convidados a participar num dos festivais dos Tunídeos, algures em 2005 ou 2006. Todas as tunas têm guias nos festivais que participam e eu, apesar de não ter sido a guia deles, agi como se fosse e estive sempre com eles, claro (até porque a guia deles andava sempre fugida ahahaha!). Não vieram todos aqueles que eu conhecia da minha altura, como é natural, mas a tuna esteve cá e eu pude deliciar-me, mais uma vez, a ouvi-los tocar em palco e fora dele. Foi bom, foi inesquecível e foi o reviver de tudo aquilo que antes vivi. Continuavam com o mesmo espírito de antes!

Muitos parabéns Tuna Camoniana! 



Oiçam-na nos próximos vídeos e deliciem-se como eu:


No Festival Camoniano, em 2000, onde eu estive presente!





sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

A preparar-me psicologicamente para a semana que aí vem...

O mês de janeiro é daqueles meses que me dá sempre uma inquietação medonha.
E perguntam vocês porquê!!!
Porque é no mês de janeiro que a maioria dos aniversários de quem me rodeia mais de perto acontecem... Não bastava ter a minha família com o karma de nascer em janeiro, ter adotado a família do namorido que também tem karma para o janeiro e ainda piorar a minha situação quando, em 2014, nasce a minha filha...em janeiro!!!! Pois bem, só para terem uma ideia, vou só colocar as datas de aniversário que decorrem em janeiro (sem contar com os amigos, porque se fosse contar com eles, era melhor contar os dias que não existem aniversários!!!):
6 - a minha avó
12 - a minha sogra e a avó do namorido (logo 2 no mesmo dia!)
15 - o meu primo
23 - o meu sobrinho mais velho
25 - a minha mãe
28 - a minha filha
31 - o namorido

Verdade seja dita que os aniversários que me dão mais trabalhim são os últimos 3, porque sou eu que normalmente organizo tudo. Quem me lê neste momento deve pensar que eu não gosto! Está enganado, muito enganado! Dá trabalho sim, não posso dizer que não, mas é um trabalhinho bom, são "dores de cabeça" que começam a moer no meio do ano e só terminam depois dos 3 dias terminarem... Gosto de organizar o dia, fazer-lhes o bolinho com muito carinho, preparar-lhes surpresas, enfim, tudo aquilo que eles merecem.
É natural que desde 2014 o dia que mais trabalho me dá é o dia 28! Até tiro dias de férias para tratar de tudo ao pormenor, porque gosto que os aniversários dela sejam vividos a 100% e que ela desfrute deles a 200% ou mais... É por isso que me esforço anualmente nesta época do ano...

Deus dai-me forças para esta semaninha...




quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Organização, desde pequenina!

Se há coisa que eu gosto muito numa casa é O.R.G.A.N.I.Z.A.Ç.Ã.O. e eu tento incutir na minha M. isso mesmo, principalmente no que diz respeito aos seus brinquedos. Óbvio que dar o exemplo também ajuda e nisso eu tento "educar-me" todos os dias... 
Tenho-lhe ensinado a brincar com um brinquedo de cada vez e se quiser mudar de brinquedo, deve arrumar o primeiro para brincar com o seguinte. Isso corre bem quando eu estou presente, porque vou-lhe recordando desse ensinamento que, acredito, vai ser muito bom para ela (e para mim!) no futuro. Outro dia, o tapete dela estava cheio de brinquedos espalhados. Havia inclusive brinquedos fora dele... Pedi-lhe para arrumar os seus brinquedos. Ela fê-lo sem qualquer objeção e no fim disse: "Ficaste feliz?!". "Fiquei muito feliz, minha querida!"

É ou não é um doce esta minha filha?!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Ajudar a criança a ter um irmão?!

Nunca percebi bem quando as crianças rejeitam o "irmão" que ainda vive na barriga das suas mães, até porque na única vez que isso me aconteceu, quando a minha mãe ficou grávida do meu irmão, eu fiquei radiante da vida. Não me lembro dela me ter contado, nem como reagi, mas lembro-me que pedi muitas vezes um irmão/irmã, mesmo já tendo um. Lembro-me também de fazer festinhas na barriga dela, de me ter sentido muito triste por ter de ficar na Lomba da Maia enquanto os meus pais iam para o hospital para o meu irmão nascer. Lembro-me também do primeiro dia que vi o meu irmão. Foi dos dias mais felizes da minha vida! Tinha 6 anos. Lembro-me que me sentei na cama e puseram-me o meu irmão no colo. Já não o queria largar...
Lembro-me que sentia ciúmes quando alguém o pegava ao colo ou lhe fazia festinhas, não porque quisesse que o fizessem a mim, mas porque ninguém lhe podia mexer porque ele era o meu bebé...

Hoje tenho uma filha. Sabe Deus se ela terá algum irmão, embora eu ache que seria o melhor presente que lhe podia dar na vida... Em caso afirmativo, eu espero sinceramente que ela não o rejeite e nem o negue, pois eu não saberia lidar com isso... Para mim um bebé é uma dádiva, o verdadeiro milagre a acontecer... Hoje em dia a minha M. é muito fofinha com tudo o que a rodeia, principalmente com bebés. Quer pegar neles ao colo, fazer-lhes festinhas e fá-las com muito cuidado e jeitinho, quase que em câmara lenta, que acho que não terei esses problemas... mas... sei lá... Por via das dúvidas deixo aqui o link, que me fez escrever este post, caso algum dia precise de "ajuda" técnica...

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Serviço de Pediatria do Hospital em Ponta Delgada

Por causa da minha falta ao trabalho, tive de ir levantar o meu atestado médico de assistência à família à Pediatria do Hospital de Ponta Delgada. Nunca lá tinha ido, graças a Deus nunca tinha precisado. É um espaço bastante acolhedor, apesar de ser no hospital. Está cheio de bonequinhos e cor nas paredes e tinha lá uma árvore de natal muito engraçada. Os funcionários da receção muito simpáticos e acolhedores... Tudo, tudo o que as crianças merecem ter quando estão doentes... Bom, nenhuma criança merece estar doente, óbvio! Mas, face a essa realidade, todas as crianças merecem ter um atendimento acolhedor, meiguinho e muito, muito carinhoso...

Enquanto esperava que a Sra. que me atendeu preenchesse uma papelada, fomos conversando uma com a outra e aproveitei para lhe perguntar como funcionava aquele serviço. Dizia-me ela que haviam várias especialidades ali, todas direcionadas para as crianças. Só quando não havia a especialidade necessária é que as crianças eram atendidas no restante hospital, onde vão os adultos. Portanto ali os médicos cardiologistas, oncologistas (etc, etc, etc...) são apenas médicos de crianças e dedicam-se exclusivamente a elas. Que bom! Fiquei hiper, mega feliz por haver tão bom tratamento para as crianças! Também lhe perguntei se havia algum serviço de voluntariado ali e foi aí que tudo me caiu no chão: não há!!! Primeiro ela pensava que estava a falar das Sras. que vão ao hospital distribuir café e jornais, mas não era isso... Queria saber se haviam palhaços, alguém a contar histórias,... Ela apenas diz-me que não há, que pontualmente aparecem grupos para realizar algumas atividades, mas não é rotineiro...

Pior do que uma criança estar no hospital é esta criança estar no hospital sem nada que a anime! Quem me dera que existisse a Operação Nariz Vermelho sempre e em todos os hospitais pediátricos ou alguma coisa semelhante... Adorava poder fazer parte!...


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Desafio 52 semanas #03: Coisas pra se fazer no calor...

O desafio desta semana é dos que mais gosto, até porque sou uma pessoa que adora o verão... No calor.... ah no calor pode fazer-se tanta coisa... Vamos então sentir saudades do verão e dizer o que se pode fazer quando está calor...

- ir à praia e apanhar sol;
- ir à piscina dos meus pais e passar lá a tarde a beber caipiroskas acabadinhas de fazer pelo meu irmão;
- comer gelados;
- beber uma cervejinha fresquinha (se houver caracóis melhor!) numa esplanada qualquer à beira mar;
- churrascadas ou piqueniques com a família e os amigos;
- ir a festas e festivais de música;
- viajar;
- acampar e estar próximo da natureza;
- contemplar a lua deitada no chão, numa noite de luar qualquer...

Ahhhhh quem me dera já estar no verão...

domingo, 15 de janeiro de 2017

Hoje é o teu dia Pedro!

Hoje faz anos o primo-irmão mais aventureiro que eu conheço. É um dos meus primos-irmãos! 
Se um dia, há coisa de 20 anos atrás, quando ainda vivia em Lisboa (e ele também) e conhecia o meu primo como conhecia, me dissessem que ele iria viver em Moçambique e Angola eu iria rir-me muito! Mesmoooo...
Este meu primo nunca teve uma vida muito fácil! É assim mesmo... há pessoas que nasceram num dia propício ao sucesso nos vários níveis e há outros que têm de passar das suas para serem felizes... Este é o seu caso...
É mais velho que eu uns 6 anos, por isso sempre me lembro dele maior que eu. Era muito próximo da minha mãe por isso passava muito tempo connosco. Chegamos a viajar juntos em pequeninos. Depois ele foi estudar para Lisboa e eu segui-o uns anos a seguir. Foi aí que nos reaproximamos um do outro. Ele ajudou-me muito em variadas situações: a encontrar casa, a orientar-me lá em Lisboa, nas mudanças de casa que fiz,... Apesar de não estarmos sempre juntos, eu nunca me senti sozinha porque sabia que tinha alguém na capital a quem eu podia recorrer a qualquer hora caso precisasse...
Nos anos dele saíamos sempre juntos e com o batalhão de amigos que ele tinha, daqueles que nem o tempo apaga e, apesar de distantes, sei que ainda hoje se reúnem quando assim se proporciona. Era nesse dia que podia dizer à minha mãe que tinha chegado mais tarde a casa, pois ela sabia que eu estava com o Pedro e se estava com o Pedro estava bem... Mal sabia ela que por ele sair comigo é que ele ficava bem (ou pelo menos perto disso!), mas isso é outra história! :)
Numa das piores fases da vida dele, e eu e toda a família tentamos fazer o possível e impossível para poder ajudá-lo a superar a ferida que lhe ficou cravada no coração. Se calhar até hoje a sente, mas graças a Deus refez a sua vida com outra pessoa e são um casal tão bonito e tchanan... 
Já viveu em Moçambique. Hoje vive em Angola. Digamos que está a construir uma pequena fortuna e espero que um dia possa regressar de vez ao nosso país para podermos desfrutar da companhia deles e da família que estão a construir...

Parabéns Pedro, que a vida te sorria sempre com saúde e alegria!
(Tenho primos lindos, não tenho?!)

sábado, 14 de janeiro de 2017

Admiro-o como ser humano!

Falo de Barak Obama!

Esta última semana foi basicamente marcada pelo último discurso dele enquanto Presidente dos EUA... Infelizmente não o vi na hora (vi-o depois!) e, como eterna romântica que sou, emocionei-me naquela parte em que falou da sua esposa Michelle e das filhas.

Ao longo dos últimos 8 anos sempre o defendi, não pelo presidente que foi, porque sinceramente, como não vivo nos Estados Unidos da América, desconheço o que ele fez pelos americanos, mas pelo lindo ser humano que demonstrou ser. Lembro-me assim de repente de algumas fotos que vi, dele com a esposa, dele com a família, dele com o cão, dele com as crianças, dele com os seus trabalhadores, dele com alguns americanos comuns, dele a sorrir e na brincadeira, dele bem humorado (podem ver algumas delas aqui e aqui)... É mesmo aquele tipo de pessoa de quem eu gosto: bem disposto e sensível para com o próximo. É, sem sombra de dúvida, uma pessoa com quem gostaria de ter dois dedos de conversa... É, sem dúvida nenhuma, uma pessoa verdadeiramente interessante (e inteligente!).

O amor que ele sempre demonstrou ter pela Michelle é do tipo mais puro e verdadeiro que existe no mundo. Além de muitas outras coisas igualmente importantes, algumas mais importantes que outras, a consideração e o reconhecimento são pontos essenciais em qualquer relação. Com certeza que a Michelle teve de se privar de muitas coisas e teve de fazer muitos sacrifícios por causa dele e mesmo assim fê-lo. No momento de despedida, Obama reconheceu-o. Se calhar foi reconhecendo ao longo do tempo na vida privada, mas nós não sabemos. Ele teve coragem de o reconhecer publicamente (alguns nem na intimidade o fazem!). Fê-lo com pompa e circunstância. Fê-lo tão gentilmente, exatamente como qualquer mulher gostaria de ser elogiada. 

Por isso defendo sempre: é importante elogiar, reconhecer os esforços do outro e dizê-lo frontalmente (ninguém adivinha o que o outro pensa!). A boca não serve só para criticar! A boca devia servir essencialmente para elogiar! O mundo seria bem melhor! Numa relação com certeza ia melhorar muita coisa!...

E assim se constrói o amor e a confiança nos casamentos...

Vou sentir saudades desta família (já o tinha dito aqui!)...


sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Hoje é sexta-feira, 13.

Uhhhhh medooooooooooo!

Normalmente não gosto das sextas-feiras, 13, mas não deixo de fazer a minha vida normal por causa disso... 
Não sou muito supersticiosa, mas não gosto por exemplo de passar por baixo de uma escada, nem gosto de partir espelhos e nem de abrir guarda-chuvas em casa. Evito também colocar a minha mala no chão e tento que no 1º dia do ano seja o homem o primeiro a entrar em casa e com o pé direito (este ano reparei e o meu namorido, mesmo sem se aperceber, cumpriu com este requisito!)...
Ver gatos pretos não me faz confusão e aqueles ditos de passar por cima de cordas quando se está grávida só tive conhecimento depois da minha filha nascer com o cordão umbilical à volta do pescoço e perguntarem-me se passei por cima de alguma corda... Se algum dia voltar a ficar grávida, será uma das coisas que estarei atenta...
Sentar-me numa mesa de 13 pessoas também não gosto muito, mas porque me foi incutido pela minha mãe. Hoje em dia a família mais próxima é exatamente de 13 pessoas! Portanto, nunca irei convidar para algum evento apenas o "núcleo duro da família Moniz e Medeiros"... Ou terá de ir mais ou menos... :)
Antes de casar varreram-me várias vezes os pés (óbvio que sem querer!) em variados dias e pelos vistos esse fator não foi suficiente para evitar o casamento.
Uma amiga minha nunca pega no pano de loiça das minhas mãos. Diz que dá azar. Então tenho de pousá-lo no balcão e só aí ela pega nele... Não acredito muito nisso, mas agradeço a preocupação  para comigo dessa minha amiga! :)
De resto não me recordo de mais nenhuma superstição que tenha... Por isso, sejam felizes nesta sexta-feira 13. Pensem que é o dia de Nossa Senhora e que ela está a proteger-nos com o seu manto sagrado... É o que penso e, normalmente, ajuda muito!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Isto é cuidar de quem cuida...

Durante quase todo o mês de dezembro, ali a rondar o Natal e passagem de ano a minha avó Olídia, que ainda está debilitada, ficou em casa dos meus pais, por opção dos próprios. Foram, sem sombra de dúvidas, dias muito mais calmos para os meus pais e também para mim, pois em vez de estarmos a fazer viagens Ponta Delgada - Lomba da Maia e regresso com alguma frequência, pudemos passar mais algum tempo com ela e uns com os outros, sem stresses de maior, sem termos de andar com "a casa às costas", sem a minha M. ter de alterar a sua rotina. Julgo não estar a ser egoísta e nem tão pouco a "puxar a  brasa à minha sardinha", mas a vida é assim mesmo. Quem precisa é que tem de ir em busca de ajuda. Neste momento a minha avó precisa de nós e, claro, estamos aqui para ajudá-la a recompor-se e a por-se fina outra vez. 
A nossa vida está estruturada de certa forma. No meu caso, tenho o meu trabalho e vivo em Ponta Delgada. A minha M. está aos cuidados dos avós maternos na minha ausência, porque assim ficou combinado ainda antes dela nascer. Eu preciso dos meus pais para cuidarem da M., por isso levo todos os dias (úteis) a minha filha para a casa deles. Não são eles que vão para a casa onde vivo cuidar da minha filha. Neste momento, penso que, para o bem da sanidade mental dos meus pais, mas principalmente da minha mãe, que sempre foi uma pessoa nervosa, a bem da própria relação dos meus pais que tudo tem suportado, a bem da estabilidade familiar, o melhor mesmo é que a minha avó se mentalize de que terá de sair da sua "zona de conforto" para se aproximar das filhas, pois delas depende no momento. 
Deus queira que esta seja uma situação passageira, mas ninguém sabe se o será, daí ser muito importante ajudar a minha avó sim, mas também facilitar a vida e cuidar de quem cuida dela. 

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Em cima do joelho...

Outro projeto que desenvolvemos no Natal passado, além dos que já contei aqui e que não estavam na previsão, foi feito nos dias em que estivemos em casa as 2, quando ela esteve com adnoidite (contei essa fase aqui). Como estávamos em casa, comecei a inventar coisas para fazer com ela. Então imprimi uma série de desenhos alusivos ao Natal e começamos a pintá-los com lápis de cor. Foi quando me lembrei que poderia colocá-los pela casa. Assim foi... 
Primeiramente ela ainda resistiu porque queria que os desenhos ficassem junto dela, mas depois achou piada a colá-los nas paredes da casa... O resultado foi este e ficou muito giro, até porque a nossa casa é casa de criança e o Natal é essencialmente para ela!